Estudos etnográficos em administração no Brasil: uma nova construção teórica?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33361/RPQ.2022.v.10.n.25.487

Palavras-chave:

Etnografia, Administração, Escolas Antropológicas

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar como são caracterizadas as pesquisas que empregam o método etnográfico na área de Administração, utilizando a plataforma Spell como base para a coleta de dados. O estudo tem caráter descritivo e exploratório, com abordagem qualitativa. O primeiro critério de seleção foi apenas artigos em língua brasileira, coletados todos em um mesmo dia (04 de setembro de 2019) mas com uma perspectiva longitudinal. O estudo foi desenvolvido através de pesquisa documental e analisado a partir da análise de conteúdo. O corpus de análise foi composto de um total de 47 artigos. Na análise dos dados identificou-se que de acordo com a análise das escolas antropológicas, a maioria dos estudos vão ao encontro da Escola Inglesa; a escola Francesa apareceu em 17 artigos e a Escola Americana apareceu em 11 artigos, demonstrando tendências dos estudos com olhar voltado para a economia e ciências sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALCADIPANI, R.; ROSA, A. R. O pesquisador como o outro: uma leitura pós-colonial do “Borat” brasileiro. RAE, São Paulo, v. 50, n. 4, p. 371-382, out./dez. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902010000400003

ALMEIDA, D. D. de; FLORES-PEREIRA, M. T. As corporalidades do trabalho bailarino: entre a exigência extrema e o dançar com a alma. Revista de Administração Contemporânea, Maringa, v. 17, n. 6, p. 720-738, dez. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-65552013000600006

ATKINSON, P.; HAMMERSLEY, M. Ethnography and Participant Observation. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (eds.). The Sage Handbook of Qualitative Research. California: Sage Publications, 1994. p. 249-261.

BARBOSA, L. Marketing Etnográfico: colocando a etnografia em seu devido lugar. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 43, n. 3, p. 100-105, jul. 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902003000300007

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BERG, C. A.; UPCHURCH, R. A. developmental-contextual model of couples coping with chronic illness across the adult life span. Psychological bulletin, Washington, v. 133, n. 6, p. 920-954, nov. 2007. DOI: https://doi.org/10.1037/0033-2909.133.6.920

BRANNAN, MJ; PEARSON, G; WORTHINGTON, F. Ethnographies of work and the work of ethnography. Ethnography, v. 8, n. 4, p. 395–402, 2007. DOI: https://doi.org/10.1177/1466138107083558

BREWER, N. T.; WEINSTEIN, N. D.; CUITE, C. L.; HERRINGTON, J. E. Risk perceptions and their relation to risk behavior. Annals of behavioral medicine, San Francisco, v. 27, n. 2, p. 125-130, apr. 2004. DOI: https://doi.org/10.1207/s15324796abm2702_7

CAVEDON, N. R. Antropologia para administradores. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

CAVEDON, Neusa Rolita. " De frente pro crime": cultura organizacional e socialização dos peritos ingressantes no departamento de criminalística do instituto-geral de perícias do Rio Grande do Sul. RAM. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 11, p. 38-65, ago. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-69712010000400003

CELLARD, André et al. A análise documental. POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, Vozes, p. 2010-2013, 2008.

CHURCHILL, J. R. G. A. A paradigm for developing better measures of marketing constructs. Journal of marketing research, Chicago, v. 16, n. 1, p. 64-73, feb. 1979. DOI: https://doi.org/10.1177/002224377901600110

CREWE, E. “Ethnography of parliament: finding culture and politics entangled in the commons and the lords”, Journal of Parliamentary Affairs, London, v. 70, n. 1, p. 155-172, jan. 2017a. DOI: https://doi.org/10.1093/pa/gsw012

CREWE, E. “Reading the runes: conflict, culture and ‘evidence’ in law-making in the UK, redescriptions: political thought”, Conceptual History and Feminist Theory, Helsinki, v. 20, n. 1, p. 32-48, apr. 2017b. DOI: https://doi.org/10.7227/R.20.1.3

DA MATTA, R. Relativizando. Uma introdução à Antropologia Social. 4 ed. Petrópolis: Vozes, 1981.

DAVEL, E. P. B.; FANTINEL, L. D.; OLIVEIRA, J. S. de. Etnografia audiovisual: potenciais e desafios na pesquisa organizacional. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 26, n. 90, p. 579-606, jul,/set. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1984-9260909

DE ARAUJO, F. F.; DA ROCHA, A. Significados atribuídos ao lazer na terceira idade: observação participante em encontros musicais. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 38-55, maio./ago. 2016. DOI: https://doi.org/10.5585/podium.v5i2.157

DE SOUZA, A. P. C. et al. Pesquisa Bibliográfica no Contexto Brasileiro sobre a Aplicação do Design Etnográfico como Forma de Potencializar Projetos de Design. GESTÃO. Org, Recife, v. 16, n. 7, p. 222-230, 2018. DOI: https://doi.org/10.21714/1679-18272018v16Ed.p222-230

DIANTEILL, E.; MOTTA, R. Depois de Lévi-Strauss: um olhar sobre a antropologia francesa contemporânea. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 53, n. 1, p. 11-38. 2010.

FARIA, A. Pesquisa em Redes Estratégicas: Descobertas e Reflexões Etnográficas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 43, n. 1, p. 11-23, mar. 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902003000100003

FIGUEIREDO, R. É. D. Tendências e dilemas da antropologia norte-americana: sobre a história do Instituto de Antropologia Social da Smithsonian Institution e sua presença no Brasil. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 53, n. 1, p. 237-276, jan./jun. 2010.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr. 1995. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75901995000200008

GUSMÃO, N. M. M. de. Antropologia, estudos culturais e educação: desafios da modernidade. Pro-Posições, Campinas, v. 19, n. 3, p. 47-82, dez. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73072008000300004

INGOLD, T. “That’s enough about ethnography.” HAU: Journal of Ethnographic Theory, London, v. 4, n. 1, p. 383-395, Summer. 2014. DOI: https://doi.org/10.14318/hau4.1.021

LEÃO, A. L. M. de S.; MELLO, S. C. B. de.; FREITAS, G. K. A. de. Usos das marcas para o alinhamento do “eu” (footing) em interações sociais. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, São Paulo, v. 13, n. 38, p. 61-79, jan./mar. 2011.

LINSTEAD, S. The social anthropology of management. British Journal of Management, London, v. 8, n. 1, p. 85-98, mar. 1997. DOI: https://doi.org/10.1111/1467-8551.00042

LOURENÇO, C. D. da S.; FERREIRA, P. A.; ROSA, A. R. Etnografia e grounded theory na pesquisa de marketing de relacionamento no mercado consumidor: uma proposta metodológica. RAM. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 9, n. 4, p. 99-124, maio./jun. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-69712008000400007

MALINOWSKI, B. Argonautas do Pacífico Ocidental. 2 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MALINOWSKI, B. Argonauts of the Western Pacific: An Account of Native Enterprise and Adventure in the Archipelagoes of Melanesian New Guinea [1922/1994]. 15 ed. Routledge: Taylor & Francis, 2013. DOI: https://doi.org/10.2307/3031829

MASCARENHAS, A. O. Etnografia e Cultura Organizacional: uma Contribuição da Antropologia à Administração de Empresas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 88-94, abr. 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75902002000200008

OLIVEIRA, J. S. de; CAVEDON, N. R. Os circos contemporâneos como heterotopias organizacionais: Uma etnografia multissituada no contexto Brasil-Canadá. Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 142-162, mar./abr. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2017150047

OLIVEIRA, J. S. Práticas Organizativas e Emoções: Contribuições para as Pesquisas sobre Organizações Culturais. Revista Interdisciplinar de gestão social, Salvador, v. 5, n. 2, p. 51-68, maio./ago. 2016. DOI: https://doi.org/10.9771/rigs.v5i2.12481

PAWLOSKI, C. S.; ANDERSEN, H. B.; TROELSEN, J.; SCHIPPERIJN, J. Children's physical activity behavior during school recess: A pilot study using GPS, accelerometer, participant observation, and go-along interview. Plos One, San Francisco, v. 11, n. 2, e0148786, feb. 2016. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0148786

PINTO, M. de R. Articulando a etnografia eag rounded theory na pesquisa do consumidor. REAd. Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 397-424, maio./ago. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-2311023201342135

SELLTIZ, C. et al. Research methods in social relations. New York: Holt, Reinhart e Winston, 1959.

SILVA, G. F. da. Do Multiculturalismo à Educação Intercultural: Estudo dos Processos Identitários de Jovens da Escola Pública na Região de Porto Alegre. 2001. 386 páginas. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação. Universidade Federal

do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

SMITH, C.; DENTON, M. Methodological issues and challenges in the study of American youth and religion. National Study of Youth and Religion. Department of Sociology: University of North Carolina. Chapel Hill. 2001. Available at http://www.youthandreligion.org/docs/methods.pdf. Acesso em: 28 de Agosto de 2019.

SOARES, I. C. M. et al. Experiência De Consumo Em Realidades Virtuais: Um Estudo De Caso Realizado no Second Life. RAI Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 98-120, mar. 2015 DOI: https://doi.org/10.11606/rai.v12i1.100318

TEDLOCK, B. Ethnography and ethnographic representation. In: DENzIN, N. K; LINcOLN, Y. S. (Org.). Handbook of qualitative research. 2. ed. Thousand Oaks: Sage, 2000.

TURETA, C.; ALCADIPANI, R. Entre o observador e o integrante da escola de samba: os não-humanos e as transformações durante uma pesquisa de campo. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 2, p. 209-227, abr./maio. 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000200004

VAN MAANEN, J. Tales of the field: On writing ethnography. 2. ed. Chicago: University of Chicago Press, 2011. DOI: https://doi.org/10.7208/chicago/9780226849638.001.0001

VAN MANEN, M. Writing qualitatively, or the demands of writing. Qualitative health research, [S. l.], v. 16, n. 5, p. 713-722, may. 2006. DOI: https://doi.org/10.1177/1049732306286911

WATSON, T. J. Ethnography, reality, and truth: the vital need for studies of ‘how things work in organizations and management. Journal of Management studies, Durhan, v. 48, n. 1, p. 202-217, 2011. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-6486.2010.00979.x

YANOW, D. Organizational ethnography and methodological angst: myths and challenges in the field. Qualitative Research in Organizations and Management: An International Journal, London, v. 4, n. 2, p. 186-199, ago. 2009. DOI: https://doi.org/10.1108/17465640910978427

YBEMA, S.; KAMSTEEG, F.; VELDHUIZEN, K. Sensitivity to situated positionings: Generating insight into organizational change. Management learning, London, v. 50, n. 2, p. 189-207, 2019. DOI: https://doi.org/10.1177/1350507618808656

Downloads

Publicado

2022-11-18

Como Citar

Cassanego Jr., P. V., Freddo Fleck, C., & Rosano Rodrigues, P. (2022). Estudos etnográficos em administração no Brasil: uma nova construção teórica?. Revista Pesquisa Qualitativa, 10(25), 346–367. https://doi.org/10.33361/RPQ.2022.v.10.n.25.487