Dilemas sobre a ética na pesquisa qualitativa: discussões e implicações para a área da administração

Autores

  • Rocío del Pilar López Cabana Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
  • Jaiane Aparecida Pereira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul https://orcid.org/0000-0003-4254-6311
  • Josiane Barbosa Gouvêa Instituto Federal do Paraná
  • Bruna Liria Avelhan Universidade Estadual de Maringá (UEM)
  • Maurício Reinert-do-Nascimento Universidade Estadual de Maringá (UEM)

DOI:

https://doi.org/10.33361/RPQ.2022.v.10.n.24.401

Resumo

Este ensaio teve como objetivo discutir os dilemas éticos da pesquisa qualitativa no contexto da administração, bem como suas implicações. Para isso, realizamos, primeiramente, um breve resgate histórico da ética até perspectivas mais contemporâneas, seguido do apontamento dos aspectos legais sobre ética na pesquisa e da discussão dos dilemas e implicações sobre a ética na pesquisa qualitativa no campo da administração. Com base nas discussões, apontamos que a postura ética na pesquisa invariavelmente nos impõe dilemas que podem ser solucionados, ou, pelo menos, amenizados, a partir de nossas posições pessoais e com base nas construções coletivas feitas pela comunidade científica. Quando se trata das normas e regulamentações éticas é preciso acentuar os entraves burocráticos para a proposição de um projeto de pesquisa. Apesar da aprovação da Resolução 510/2016, há ainda dificuldades de entendimento sobre os padrões a serem adotados, principalmente, a necessidade de mudanças na Plataforma Brasil.

Palavras-chave: Pesquisa com seres humanos; Pesquisa científica; Comitê de ética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALCADIPANI, R. Confissões etnográficas: fracassos no acesso a organizações no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, [S.I.], v. 1, n. 1, p. 1-25, Jun. 2014.

ANPED. Ética na Pesquisa: entrevistas sobre resolução específica para Ciências Humanas e Sociais. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Out. 2014. Disponível em: http://www.anped.org.br/news/etica-na-pesquisa-entrevistas-sobre-resolucao-especifica-para-ciencias-humanas-e-sociais. Acesso em: 02 jun. 2020.

ANPOCS. Resolução da Ética em Pesquisas nas CHS. Portal das Ciências Sociais Brasileiras. Disponível em: http://www.anpocs.com/index.php/ciencias-sociais/destaques/1608-resolucao-da-etica-em-pesquisa-nas-chs. Acesso em: 15 dez. 2016.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômacos. 4. ed. Brasília: UnB, 2001.

ATA. Reunião do Fórum de Associações Científicas da área de Ciências Humanas e Sociais. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://www.portal.abant.org.br/images/Noticias/ATA_FORUM_CHS_ETICA_PESQUISA_18_02_2015.pdf. Acesso em: 15 dez. 2016.

BANDEIRA-DE-MELLO; R.; CUNHA, C. J. A. Administrando o risco: uma teoria substantiva da adaptação estratégica de pequenas empresas a ambientes turbulentos e com forte influência governamental. Revista de Administração Contemporânea, [S.I.], v. 8 (edição especial), p. 157-180, 2004.

BAUMAN, Z. A vida fragmentada: ensaios sobre a moral pós-moderna. Lisboa: Relógiod’Água, 2007.

BELL, E.; BRYMAN, A. The ethics of management research: an exploratory content analysis. British Journal of Management, [S.I.], v.18, n. 1, p. 63-77, 2007.

BELL, E.; WRAY-BLISS, E. Research Ethics: regulation and responsabilities. In: BUCHANAN, D.; BRYMAN, A. The Sage Handbook of Organizational Research Methods. London: Sage, 2009. p. 78-92.

BIANCHI, E. M. P. G.; IKEDA, A. A. Usos e Aplicações da Grounded Theory em Administração. Revista Gestão.Org, [S.I.], v. 6, n. 2, p. 231-248, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de Abril de 2016. Trata sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. Diário Oficial da União, Brasília- DF, 24 maio 2016. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/22917581. Acesso em: 02 jun. 2020.

CAVEDON, N. R. “De frente pro crime”: cultura organizacional e socialização dos peritos ingressantes no Departamento de Criminalística do Instituto-Geral de Perícias do Rio Grande do Sul. RAM – Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 11, n. 4, p. 38-65, jul./ago. 2010.

CHARMAZ, K. Shifting the grounds. In: MORSE, J. Developing Grounded Theory. WalnutCreek-CA: Left Coast Press, 2008. p. 127-193.

CNS. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466 de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 26 set. 2015.

FLORES-PEREIRA, M. T. Cultura organizacional, corpo artefato e embodiment: etnografia em uma livraria de Shopping Center. 2007. 206f. Tese (Doutorado em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

FLORES-PEREIRA, M.T.; CAVEDON, N.R. Os bastidores de um estudo etnográfico: trilhando os caminhos teórico-empíricos para desvendar as culturas organizacionais de uma livraria de Shopping Center. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 7, n.1, p. 153-168, mar. 2009.

GUERRIERO, I. C. Z. Aspectos éticos das pesquisas qualitativas em saúde. 2006. 318f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

GUERRIERO, I. C. Z.; MINAYO, M.C.S. O desafio de revisar aspectos éticos das pesquisas em ciências sociais e humanas: a necessidade de diretrizes específicas. Physis, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 763-782, jul./set. 2013.

GUERRIERO, I. C. Z.; MINAYO, M.C.S. A aprovação da Resolução CNS nº 510/2016 é um avanço para a ciência brasileira. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 28, n. 4, p. 299-310, 2019.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

HUTZ, C. S. Problemas Éticos na Produção do Conhecimento. In: CONGRESSO NORTE NORDESTE DE PSICOLOGIA, 1., 1999, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, 1999. s.p.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

LEITE, A. P. R.; TACCONI, M. F. F. S.; EL-AOUAR, W. A.; MÓL, A. L. R.; ALEXANDRE, M. L. O. Ética na pesquisa em administração: reflexões junto aos pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 33., 2009, São Paulo. Anais... São Paulo: ENANPAD, 2009.

LINCOLN, Y. Institutional Review Board and methodological conservatism. In: DENZIN, N.; LINCOLN, Y. The Sage Handbook of Qualitative Research. 3. ed. Thousand Oaks, CA: Sage, 2005. p. 165-182.

MALINOWSKI, B. Os Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril, 1961.

MINAYO, M.C.S.; GUERRIERO, I. C. Reflexividade como éthos da pesquisa qualitativa. Ciências & Saúde Coletiva, [S.I.], v. 19, n. 4, p. 1103-1112, 2014.

MORSE, J. Sampling in grounded theory. In: BRYANT, A.; CHARMAZ, K. The Sage Handbook of Grounded Theory. London: Sage, 2007, p. 229-244.

NOSELLA. P. Ética e pesquisa. Educação & Sociedade, Campinas, v. 29, n. 102, p. 255-273, jan/abr. 2008.

OLIVEIRA, J. S.; CAVEDON, N. R. Micropolíticas das Práticas Cotidianas: Etnografando uma Organização Circence. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 53, n. 2, p.156-168, mar./abr. 2013.

PLATAFORMA BRASIL. Ministério da Saúde. Disponível em: http://aplicacao.saude.gov.br/plataformabrasil/login.jsf. Acesso em: 02 jun. 2020.

PINTO, M. R. As experiências de consumo de eletrônicos de consumidoress de baixa renda no Brasil. Revista Brasileira de Marketing, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 166-195, jan./mar. 2013.

RIOS, T.A. A ética na pesquisa e a epistemologia do pesquisador. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 12, n. 19, p. 80-86, jun. 2006.

SANTOS, L. A. C. Crítica aos atuais comitês de ética na pesquisa no Brasil. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 201, n. 12, p. 364-366, jan./mar. 2014.

SARAIVA, E. V. Um “pax de deux” da estratégia como arte: as práticas da companhia de dança Grupo Foco. 2009. 389 f. Tese (Doutorado Administração) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas, Belo Horizonte, 2009.

SERVA, M., JÚNIOR, P. J. Observação participante e pesquisa em administração, uma postura antropológica. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 64-79, maio./jun. 1995.

SCHRÖEDER, C. S. Educação a distância e mudança organizacional na Escola de Administração da UFRGS: uma teoria substantiva. 2009. 252 f. Tese (Doutorado em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

SOUZA, R. Einstein fatos e teorias. São Paulo: Editora Áudio, 2011.

TURETA, C.; ALCADIPANI, R. Entre o observador e o integrante da escola de samba: os não-humanos e as transformações durante uma pesquisa de campo. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 2, p. 209-227, mar./abr. 2011.

VÁZQUEZ, A. S. Ética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

VIEIRA, M. M. F.; PEREIRA, B. N. Estudos Etnográficos em Administração. In: VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. (orgs.). Pesquisa Qualitativa em Administração: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005. p. 105-118.

ZAGZEBSKI, L. O que é conhecimento? In: GRECO, J.; SOSA, E. Compêndio de Epistemologia. São Paulo: Loyola, 2008. p. 153-189.

Downloads

Publicado

2022-09-07

Como Citar

Cabana, R. del P. L., Pereira, J. A., Gouvêa, J. B., Avelhan, B. L. ., & Reinert-do-Nascimento, M. (2022). Dilemas sobre a ética na pesquisa qualitativa: discussões e implicações para a área da administração. Revista Pesquisa Qualitativa, 10(24), 233–252. https://doi.org/10.33361/RPQ.2022.v.10.n.24.401