Dilemas éticos relacionados às pesquisas qualitativas nas ciências humanas e sociais

Autores

  • Dartel Ferrari de Lima Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.33361/RPQ.2021.v.9.n.22.510

Resumo

Os reguladores das normas éticas em pesquisa com humanos utilizaram o modelo de investigação biomédico como referência. A “exclusividade” assumida pelo modelo, provocou o seu significado: aquela com poder de excluir. Assim, o sistema se depara com problemas legítimos trazidos por investigadores das áreas das Ciências Humanas e Sociais, que buscam novos conhecimentos mediante o uso de cenários investigativos diferentes daqueles biomédicos. O sistema regulador brasileiro, embora sensibilizado com as peculiaridades dos métodos de pesquisa das Humanidades, ainda permanece distante de harmonizar os anseios, seja por debilidade das normas, seja pela relutância em mudar. O pior dos cenários, que não se espera, mas se teme, é ver esse regime se consolidar com menor exercício da sensatez ética engajado pelo pesquisador nas pesquisas com humanos. Esse resultado, tenderia a reforçar ainda mais a imposição de novas normas, criando um círculo vicioso retroalimentado pela ação de um sobre o outro.

Palavras–chave: Ética na pesquisa; Comitê de ética; Pesquisa qualitativa.

Referências

BATRINCA, B.; TRELEAVEN, P. Social media analytics: a survey of techniques, tools and platforms. AI & Soc, London, v. 30, p. 89–116, 2015. Disponível em: https://silo.tips/download/social-media-analytics-a-survey-of-techniques-tools-and-platforms. Acessado em: 28 abr. 2021.

BINSFELD, P. C. Desafios atuais do sistema CEP/Conep. Formação Continuada dos Comitês de Ética em Pesquisa do RS, SC, PR, Joinville, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conheça a Conep. Brasília (DF), 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/conheca_conep_comissao_nacional_etica.pdf. Acesso em: 18 de jan. de 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 196, de 10 de outubro de 1996. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, Diário Oficial da União, n. 201, p. 21082, 16 out. 1996, Seção 1, 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 510, de 05 de abril de 2016. Brasília, DF: CNS, 2016. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acesso em: 30 jan. 2021.

CLIQUET, R.; AVRAMOV, D. Evolution Science and Ethics in the Third Millennium: Challenges and Choices for Humankind, Politics and the Life Sciences, London, v. 39, n. 1, p. 65-78, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1080/2153599X.2020.1787212. Acesso em: 10 maio. 2021.

GIBSON, G.; TIMLIN, A.; CURRAN, S.; WATTIS, J. The scope for qualitative methods in research and clinical trials in dementia. Age Ageing, London, v. 33, p. 422–426, 2004. Disponível em: https://www.semanticscholar.org/paper/The-scope-for-qualitative-methods-in-research-and-Gibson-Timlin/a9061f9e00985449531ac34d86bd0e3c20f5ae3c. Acesso em: 14 set. 2021.

LIMA, D. F.; LIMA, L. A. Perspectivas da ética em pesquisa: o repensar para o futuro do sistema normatizador brasileiro. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, n. 45, p. 89-95, 2021. Disponível em: http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/cadernos/article/view/3335. Acesso em: 10 ago.2021.

LIMA, D. F.; LIMA, L. A; MALACARNE, V.; CRISTOFOLETTI, J. F. A ética e o controle social em pesquisa científica no Brasil. Revista Colombiana de Bioética, Bogotá, v. 16, n. 1, p. e3039, 2021b. Disponível em: https://revistas.unbosque.edu.co/index.php/RCB/article/view/3039/3088. Acesso em: 12. Set. 2021.

LIMA, D. F.; LIMA, L. A; MALACARNE, V.; CRISTOFOLETTI, J. F. O lugar do representante do controle social nos comitês de ética em pesquisa brasileiros. Rev Bio y Der. Buenos Aires, v. 52, p. 253-264, 2021a. Disponível em: https://revistes.ub.edu/index.php/RBD/article/view/32048. Acesso em: 12. Set. 2021.

PATHAK, V.; JENA, B.; KALRA, S. Qualitative research. Perspect Clin Res. Rockville Pike, v. 4, n. 3, p. 192. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3757586/. Acesso em: 15 mar. 2021.

PLONER, K. S.; MICHELS, L. R. F.; SCHLINDWEIN, L. M.; GUARESCHI, P. A. (org). Ética e paradigmas na psicologia social. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008. Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/qfx4x/pdf/ploner-9788599662854.pdf. Acesso em: 23 maio. 2021.

Research. Qualitative Inquiry, Champaign, v. 10, p. 261-280. Disponível em: https://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.533.3263&rep=rep1&type=pdf.

SUTROP, M.; FLOREA, C. The Guidance Note for Researchers and Evaluators of Social Sciences and Humanities. Disponível em: http://ec.europa.eu/research/participants/data/ref/fp7/89867/social-sciences-humanities_en.pdf. Acesso em: 14 fev. 2021.

VELOSO, S. C. S.; CUNHA, T. R.; GARRAFA, V. Controle ético de pesquisas cujos resultados tenham alto risco para a saúde da população. Saúde em Debate, Brasília, v. 40, n. 110, p. 234-243, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-1104201611018. Acesso em: 14 set. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-31