A lógica da pesquisa qualitativa e os modos de procedimentos nela fundados

Autores

  • Maria Aparecida Viggiani Bicudo Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.33361/RPQ.2021.v.9.n.22.507

Resumo

Neste artigo, são trazidos os modos pelos quais se compreende a lógica da pesquisa, qualquer que seja. É entendido que a lógica é constituinte da pesquisa, focada na civilização do mundo ocidental. Para dar conta dessa afirmação, é apresentada uma tessitura entre a lógica já mencionada nos trabalhos dos filósofos pré-socráticos, quando aparece de modo difuso da lógica, entendida como princípio puro, por Platão, que traz uma maneira nova de concebê-la; a modificação de paradigma da lógica da investigação com Euclides, que também traz um novo; e o novo na pesquisa instituída por Galileu. É colocada a questão se caberia ser mantida uma polêmica entre pesquisa quantitativa versus qualitativa. Explicita-se que, do ponto de vista do movimento do próprio conhecimento, essa polêmica não cabe e não se mantém. Argumenta-se que essa dicotomia se mantém em termos político-ideológicos, visando ao poder. Explicitam-se as visões de mundo, de conhecimento, de rigor implícitas à investigação qualitativa e expõe-se a lógica que a subjaz. Esta é uma lógica que caminha junto à interpretação dos dados construídos pela pessoa – e sua equipe - que investiga o indagado, expressa em textos mediante a linguagem. Explicita-se que a interpretação exige um trabalho árduo, não passível de ser pautado em um modelo apriorístico e geral; que está longe de ser subjetivo e embasado em emoções que sustentem opiniões; que é sempre um trabalho intersubjetivo que avança no diálogo lógico-racional entre pessoa investigadora-texto-contexto-estudos que dizem do investigado. 

Palavras-chave: Lógica; Pesquisa; Pesquisa qualitativa; Pesquisa quantitativa.

Referências

ALES BELLO, A. Husserl e le Scienze. Roma: La Goliardica. Editrice Universitaria di Roma. 1986.

HEGEL, G. F. Ciência e Lógica: 1. A Doutrina do Ser. Petrópolis: Vozes, 2016.

HUSSERL, E. Ideas. General Introduction to Pure Phenomenology. New York: Collier Books, New York, 1972.

HUSSERL, E. Formal and Transcendental Logic. (Tradução de Dorian Cairns). The Hague. Martinus Nijhoff, 1978.

HUSSERL, E. A Crise das Ciências Europeias e a Fenomenologia Transcedental. (Tradução Diogo Falcão ferrer). Braga: Phainomenon e Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2008.

Downloads

Publicado

2021-12-31