Ética das pesquisas qualitativas segundo suas características

Autores

  • Maria Cecilia de Souza Minayo Fundação Oswaldo Cruz

DOI:

https://doi.org/10.33361/RPQ.2021.v.9.n.22.506

Resumo

Este ensaio trata da ética em pesquisa qualitativa e ressalta seu caráter compreensivo, relacional e reflexivo, assim como as vantagens e os problemas que advêm dessa forma de conhecimento. O texto se divide em duas partes. Na primeira apresentam-se mudanças trazidas pela Resolução do Conselho Nacional de Saúde de no. 510/2016 em relação às Resoluções anteriores, adequando prescrições e demandas do Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP) e dos Comitês de Ética em Pesquisa (CEP) à filosofia e à prática das Ciências Humanas e Sociais (CHS). A segunda parte aprofunda uma análise sobre os fundamentos da Ética da Pesquisa em CHS e trata das relações entre pesquisador-pesquisado e sua reflexividade; as formas de abordagem e os dilemas da pesquisa empírica; e as diferenças epistemológicas entre verdade, aproximação e possibilidade de generalização. O texto conclui ressaltando a importância da pesquisa em CHS e, em particular, da pesquisa qualitativa.

Palavras-chave: Pesquisa qualitativa; Ética; Reflexividade; Teoria do conhecimento.

Referências

BACHELARD, G. Éssai sue la connaissance approchée. Paris: Editions VRI, 1986.

BERREMAN, G. Por detrás de muitas máscaras. In: ZALUAR, A. (org.). Desvendando máscaras sociais. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1975. p. 123-177.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução CNS 196/96 trata de diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: CNS, 1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução CNS nº 510/2016 determina diretrizes éticas específicas para as ciências humanas e sociais. Brasília: CNS, 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466/2012 trata de pesquisas e testes em seres humanos. Brasília: CNS, 2012.

CHAGNON N. Yanomamö: the fierce people. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1968.

COUNCIL FOR INTERNATIONAL ORGANIZATIONS OF MEDICAL SCIENCES.

International Ethical Guidelines for Biomedical Research Involving Human Subjects. Genève: CIOMS, 1993. Available in: https://cioms.ch/wp-content/uploads/2017/01/WEB-CIOMS-Ethica.

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo: Atlas, 1985.

ELLIS C. Emotional and ethical quagmires in returning to the field. Journal of Contemporary Ethnography, [S.I.], v. 24, n. 1, p. 68-98, 1995.

ETHICS COMMITTEE FOR SOCIAL SCIENCES AND HUMANITIES (SSH). European Directives and Horizon. Geneve: 2020 documents. Available in: https://ec.europa.eu/.../hi/h2020_ethics-soc-science-humanities_e…

GADAMER, H. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis: Editora Vozes, 2003.

GOFFMAN, E. Strategic interaction. A fascinating study of the espionage games people play. New York: Ballantine Books Co, 1975.

GUERRIERO, I. C. Z. Aspectos éticos das pesquisas qualitativas em saúde. 318 f. 2006. Doutorado (Tese em Saúde Pública) - Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

GUERRIERO, I. C. Z.; BOSI, M. L. M. Ética em pesquisa na dinâmica do campo científico: desafios na construção de diretrizes para ciências humanas e sociais. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 9, p. 2615-2624, 2015.

GUERRIERO, I. C. Z.; MINAYO, M. C. S. Resolução nº 510 de 7 de abril de 2016 que trata das especificidades éticas das pesquisas nas ciências humanas e sociais e de outras que utilizam metodologias próprias dessas áreas. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 8, p. 2619-2629, 2016.

GUERRIERO, I. C. Z.; MINAYO, M. C. S. A aprovação da Resolução CNS nº 510/2016 é um avanço para a ciência brasileira. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 28, n. 4, p. 299-310, 2019.

HABERMAS, J. Teoría de la acción comunicativa. Madrid: Taurus Editorial; 1987.

HABERMAS, J. Dialética e Hermenêutica. Porto Alegre: L&PM, 1987.

HEMMERSLEY, M. Against the ethicists: on the evils of ethical regulation. International Journal of Social Science Research Methodology, [S.I.], p. 211-225, jun. 2009.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes e Editora Universitária São Francisco, 2005.

HERTZ, R. Introduction. In: HERTZ, R. (ed.). Reflexivity & Voice. Thousand Oaks: Sage; 1997. p. vii- xvii.

HUSSERL, E. A crise da humanidade europeia e a filosofia. Porto Alegre; EDIPUCRS, 2008.

ISRAEL, M; HAY, I. Research ethics for social scientists. Lonndon: Sage E.,2006.

KANDEL, L. Reflexões sobre o uso de entrevista, especialmente a não-diretiva e sobre pesquisas de opinião. Épistemologie Sociologique, [S.I.], v. 13, p. 25-46, 1972.

LÉVINAS, E. Totalidade e Infinito. Lisboa: Lisboa Edições 70, 1998.

LEVY-SRAUSS, C. Introdution à l'ouevre de Marcel Mauss. In: LEVY-SRAUSS, C. Marcel Mauss: sociologie et anthropologie. Paris: Presses Universitaire de France; 1950. s.p.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MINAYO, M. C. S.; GUERRIERO, I. C. Z. Reflexividade como ethos da pesquisa qualitativa. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 4, p. 1103-1112, 2014.

NATIONS, M. Corte a mortalha: o cálculo humano da morte infantil no Ceará. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2010.

NEVES, M. C. P. A fundamentação antropológica da bioética. Portal Médico, [S.I.], p. 1-9, jun. 2006. Available from: http//www.portalmedico.org.br/revista/bio1v4/fundament.html.

RESEARCH ETHICS COMMITTEES. Guidelines for Research Ethics in the Social Sciences, Humanities, Law and Theology. Oslo, 2019. Available in: https/www. forskningsetikk/Guidelines for Research Ethics in the Social Sciences, Humanities, Law and Theology.

RORTY, R. A filosofia e o espelho da natureza. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

SARTRE, J-P. O ser e o nada – Ensaio de ontologia fenomenológica. Petrópolis: Vozes, 1997.

SCHEPER-HUGHES, N. Death Without Weeping: The Violence of Everyday Life in Brazil. Berkeley: University of California Press, 1993.

SCHUTZ, A. Commonsense and scientific interpretations of human action. Hague: Martinus Nijhoff, 1987.

SOCIAL SCIENCE AND HUMANITIES RESEARCH ETHICS SPECIAL WORKING COMMITTEE. Giving voice to the spectrum, 2004. Canadá. Available in: http://www.pre.ethics.gc.ca

THE INDIAN COMMITTEE FOR ETHICS IN SOCIAL SCIENCE RESEARCH IN HEALTH. Ethical guidelines for social research in health 2001. Available in: http//www.hsph.harvard.edu/bioethics/guidelines/ethical/html

THE NUREMBERG CODE OF 1947. The story of the Nazi medical crimes. New York: Schuman, 1949: xxiii-xxv.

VICTORA, C.; OLIVEN, R.G.; ORO, A.P. Antropologia e ética: o debate atual no Brasil. Niterói: EDUFF; 2004.

WHITE, W. F. Sociedade de Esquina. Rio de Janeiro: Zahar; 2005.

WORLD MEDICAL ASSOCIATION. Helsinque Declaration, 1964. Available in: https://www.who.int/bulletin/archives/79(4)373.pdf

WORLD SCIENCE FORUM. Declaration on science, ethics and responsibility. UNESCO, Budapest, 2019. Available in; worldscienceforum.org/news/declaration-on-science-ethics-and-responsibility-1100.

Downloads

Publicado

2021-12-31