Educação para a autonomia em instituições de crianças e jovens: o que nos dizem as narrativas dos profissionais

Autores

  • Judite Zamith-Cruz Universidade do Minho http://orcid.org/0000-0001-5897-6143
  • Alice Lopes Universidade do Minho
  • Maria de Lurdes Carvalho Universidade do Minho

Resumo

Resumo: Com o recurso ao software MAXQDA12, realizou-se um Estudo de Caso documentado, junto de profissionais sobre a autonomia desejada de jovens, residentes em Lares de Infância e Juventude (LIJ’s). Foram efetuadas 14 entrevistas semiestruturadas, abertas-fechadas e uniformizadas, dirigidas a educadores e técnicos, em Braga – Portugal. Comentados os segmentos de texto, as perceções da individualidade a favorecer e ambicionada para os mais jovens residentes de longa duração, conduzem a conclusões em que se apreendem exigências de suporte emocional nas relações prévias, em que seja prioritária a reciprocidade, a confiança e a proximidade. Acresce que as normas de um LIJ implicam a estabilidade de espaços e de tempos comunitários, mas os resultados demonstram que as exigências não mudam, após a saída da instituição.

Palavras-chave: Educação; Autonomia; Residências de Acolhimento, Software MAXQDA.

 

Education for autonomy in children and youth institutions: what they say the profissional's narratives

Abstract: With the use of MAXQDA 12 software, a documented case study was carried out with professionals about the desired autonomy of young people living in long-term Foster Care Homes (FCH’s). We performed, and commented, 14 semi-structured interviews, open-closed and standardized, to educators and technicians, in Braga - Portugal. The segments of texts - units of meaning – are about prceptions of desired individuality for the youngest residents, and lead to conclusions on emotional support requirements in previous relationships, given priority to reciprocity, trust and closeness. In addition, the rules of a FCH imply the stability of community spaces and times, but the results demonstrate that the requirements do not change after young adults leave the institution.

Keywords: Education; Autonomy; Foster Care; Software MAXQDA.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Judite Zamith-Cruz, Universidade do Minho

Judite Maria Zamith Cruz é doutorada em Psicologia pela Universidade do Minho, onde lecciona cursos de licenciatura e mestrado dedicados ao estudo do desenvolvimento humano e do auto-conhecimento do profissional de educação, desde 1996, é membro de instituições nacionais e internacionais dedicadas ao estudo e investigação da sobredotação, talento e criatividade e, em 1997, integrou equipa internacional e interdisciplinar, coordenada pela Professora Doutora Ana Luísa Janeira, nos domínios de ciência, tecnologia e sociedade - «Natureza, cultura e memória: Projectos transatlânticos». Colabora, desde 2000, no Instituto de Estudos da Criança, em projectos centrados na educação matemática; depois, na área da língua portuguesa e artes plásticas, como membro do Centro de Investigação «Literacia e Bem-Estar da Criança» (LIBEC) da Universidade do Minho .

Entre Janeiro e Julho de1982 foi professora de psicologia e de pedagogia em Escola de Formação de Professores do Ensino Básico de Torres Novas. De Junho a Setembro de 1982, assumiu o lugar de Assistente Estagiária na Universidade de Lisboa – Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, de que se afastou para desempenhar funções de psicóloga clínica em cooperativa dedicada a crianças e jovens deficientes motores e mentais, em Lisboa – CRINABEL (1982-1985). De 1985 a 1988 foi professora do Ensino Secundário, em Braga, leccionando a disciplina de psicologia na Escola D. Maria II. De novo ocupou funções de psicóloga clínica em associação dedicada à educação de crianças e jovens deficientes auditivos (APECDA-Braga), entre 1988 e 1992. Em 1987, realizou trabalho como psicóloga no Hospital Distrital de Barcelos, de que se afastou em 1990 para efectuar curso de mestrado. Em 1992 ocupou o ligar de Assistente de metodologia de investigação, na Universidade do Minho, em Braga, onde é professora auxiliar.

Referências

ALVES, S. Filhos da Madrugada: percursos de jovens em lares de infância e juventude. 1. ed. Lisboa: ISCSP, 2007.

AMADO, J.; FERREIRA, S. A entrevista na investigação educacional. In: AMADO, J. (Org.). Manual de investigação qualitativa. 1.ed. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2013, p. 205-232.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 1.ed. Lisboa: Edições 70, 2009.

CALHEIROS, M. M.; GARRIDO, M. (Org.). Crianças em risco e perigo: contextos, investigação e intervenção. Vol. III. Lisboa: Edições Silabo, 2013.

CARNEIRO, R. Casa Pia de Lisboa. Um Projecto de Esperança: as estratégias de acolhimento das crianças em risco – relatório final. 1. ed. Cascais: Principia, 2005.

CARVALHO, M. Sistema nacional de acolhimento de crianças e jovens. 1. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013.

CHISHOLM, K.. A three-year follow-up attachment and indiscriminate friendliness in children adapted from Romanian orphanages. Child Development, Chicago, v. 69, n.4, p. 1092-1106, aug. 1998.

COENEN, R. E?duquer sans punir: une anthropologie de l'adolescence a? risques. 1.ed. Ramonville Saint-Agne: E?ditions Ére?s, 2004.

COHEN, L. ; MANION, L.; MORRISON, K. Research methods in education. 6. ed. London: Routledge, 2007.

CORDEIRO, A. D. . Número de crianças em instituições em Portugal "é uma anomalia sem paralelo na Europa". Jornal Público on-line, Porto, n, 8957, s/p, out. 2014. Disponivel em: <https://www.publico.pt/sociedade/noticia/necessidade-de-encontrar-alternativas-a institucionalizacao-das-criancas-debatida-numa-conferencia-em-lisboa-1673639>. Acesso em: 05 nov. 2016.

DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Revista Educar, Curitiba, n. 24, p. 213-225, jul-dez. 2004.

GIVEN, L. The Sage Encyclopedia of qualitative research methods. 1.ed. USA: Sage Publications. 2008.

GORDON, T. ; E?duquer sans punir: apprendre l'autodiscipline aux enfants. 1. ed. Montre?al: E?ditions de l'Homme, 2003.

GROTEVANT, H.; COOPER, C. Patterns of interaction in family relationships and the development of identity exploration in adolescence. Child Development, Chicago, v. 56, n. 2, p. 415-428, apr. 1985.

HAUSER, S. et al. Familial contexts of adolescent ego development. Child Development, Chicago, v. 55, n. 1, p. 195-213, fev. 1984.

KUCKARTZ, U. Qualitative Text Analysis: A Guide to Methods, Practice and Using Software. 1. ed. London: SAGE Publications, 2014.

LISBOA. Criação do Plano DOM – Desafios, Oportunidades e Mudanças. (Despacho nº 8393/2007) Diário da República. 2007.

LISBOA. Criação do Plano SERE+. (Despacho nº 9016/2012) Diário da República. 2012.

LISBOA. Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo. (Lei nº 147/1999, 1ª série – A, 204, 1999-09-01), 6115. Diário da República. Disponível em: http://escritosdispersos.blogs.sapo.pt/51854.html. Acesso em: 05 nov. 2016.

LISBOA. Comissão Nacional de Proteção e Crianças e Jovens em risco (Decreto-Lei nº 98/1998). Diário da República. 1998.

MATOS, M. Comunicação, gestão de conflitos e saúde na escola. 3. ed. Lisboa: Faculdade de Motricidade Humana, 2005.

MERTENS, D. M. Research Methods In Education and Psycology: Integrating Diversity with Quantitative & Qualitative Approaches. 6.ed. London: Sage Publications, 1998.

NAOURI, A. Os pais e as mães. 1.ed. Lisboa: Pergaminho, 2005.

NAOURI, A. Eduquer ses enfants. 1.ed. Paris: Odile Jacob, 2008.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Rapport sur la santé dans le monde “Réduire les risques et promouvoir une vie saine”. Genéve: OMS, 2002.

PUNCH, K. Introduction to Social Research: quantitative & qualitative approaches. 1. ed. London: SAGE Publications, 1998.

RANCIÈRE, J. La haine de la démocracie. 1.ed. Paris: La Fabrique, 2005.

REGO, M.. Filosofia para crianças e jovens. 1. ed. Lisboa: Piaget, 2015.

SIGNY, F. Comment éduquer les enfants? Sciences Humaines, Paris, n. 2115, p. 60-63, jan. 2010.

STRECHT, P. Crescer Vazio. Repercussões psíquicas do abandono, negligência e maus-tratos em crianças e jovens. 2. ed. Lisboa: Assírio e Alvim, 2000.

YIN, R. Estudo de caso: Planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZAMITH-CRUZ, J.; LOPES, A.; CARVALHO, M. L. Educação para a autonomia em Lares de Infância e Juventude. In: COSTA, A. P. et al. (Edits.). Atas CIAIQ2016: Investigação Qualitativa em Educação, Porto. CIAIQ, Vol. 1, 2016, p. 449-457

Publicado

2016-12-30

Como Citar

Zamith-Cruz, J., Lopes, A., & Carvalho, M. de L. (2016). Educação para a autonomia em instituições de crianças e jovens: o que nos dizem as narrativas dos profissionais. Revista Pesquisa Qualitativa, 4(6), 353–367. Recuperado de https://editora.sepq.org.br/rpq/article/view/58