Fotografia das escolas ribeirinhas: a possibilidade de reconhecer e analisar espaços e tempos pedagógicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33361/RPQ.2020.v.8.n.17.302

Resumo

Este estudo apresentauma reflexão quanto ao uso de fotografias para compor o corpus de uma pesquisa qualitativa. Há um intenso debate nas Ciências Humanas e Sociais acerca do emprego de imagens em pesquisas, não como mera ilustração, mas com possibilidades analíticas. O debate é acirrado, sobretudo, em relação à sua utilização agregada ou não a outras fontes; entretanto, neste trabalho, as fotografias foram produzidas no contexto de pesquisa e adicionadas a outras fontes selecionadas para a investigação. Considera-se que as fotografias associadas aos demais procedimentos de análise, revelaram-se como possibilidades analíticas relevantes, visto que trouxeram outros sentidos e significados à pesquisa, contribuindo para cotejar, aproximar e revelar ao pesquisador tempos, espaços, sujeitos e contextos.

Palavras-chave:Fotografias; Pesquisa Qualitativa; Metodologia.

Biografia do Autor

Elisângela Correa Rios, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2015).Especialista em Educação Física escolar pela Faculdade Cidade Verde (2018). Mestranda em Educação pela Universidade de mato Grosso do Sul. Professora de Educação Física do Governo do Estado do Mato Grosso do Sul desde (2016). Atualmente membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Formação de Professores (GEPFORP) Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física, atuando principalmente nos seguintes temas: obesidade infantil, estado nutricional,  formação de professores, prática pedagógica e violência escolar.

Célia Beatriz Piatti, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduada em Pedagogia - Licenciatura Plena - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ituverava, com especialização em Administração Escolar e Orientação Educacional. Mestre em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (2006) e Doutora em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2013). Coordenadora do grupo de estudos e pesquisa em formação de professores (GEPFORP). Professora da UFMS, lotada na Faed (Faculdade de Educação) atuando como docente no curso de Licenciatura em Educação do Campo-LeduCampo, do curso de Pedagogia e no Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Atualmente é coordenadora da linha de pesquisa -Processos formativos, práticas educativas, diferenças. Tem experiência na área de educação, atuando em ensino, pesquisa e extensão com os seguintes temas: Educação do Campo; Formação de professores e práticas educativas.

Referências

BARTHES, R. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1984.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1984.

FATORELLI, A. Fotografia e subjetividade.In: Jobim S. S. (Org.) Mosaico: imagem doconhecimento. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos,2000.

KOSSOY, B. Fotografia e História. São Paulo: Ática.,1989.

KOSSOY, B. Realidades e ficções na trama fotográfica. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002.

KOSSOY,B.Os tempos da fotografia: o efêmero e o perpétuo. São Paulo: Ateliê Editorial, 2007.

LOIZOS, P. Vídeo, filme e fotografias como documentos de pesquisa.In: Bauer, M.W; Gaskell, G.(Org.). Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som: ummanual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareci. Petrópolis, RJ: Vozes,2011.

PIATTI C.B. .Imagem da/na pesquisa qualitativa: a extensa possibilidade de pesquisar. Revista Acta Semiótica et Lingvistica, v.2,2018. Disponível em:http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/actas/article/view/43497. Acesso em 20 de Junho de 2019.

ZANELLA, A. V. Perguntar, registrar, escrever: inquietações metodológicas. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS,2013.

TITTONI, J., de Castro, D. D., PAPINI, P., & ISOPO, R. (2017). Operações no fio do fragmento: fotografar, escrever e cortar. Revista De Psicologia, 8(1), 87-98. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/14075. Acesso em 10 de novembro de 2019.

Downloads

Publicado

2020-10-01

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa