A saúde como direito no contexto brasileiro

Autores

  • Carla Aparecida Arena Ventura Universidade de São Paulo - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
  • Marcela Jussara Miwa Universidade de São Paulo - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
  • Maria da Glória Miotto Wright
  • Márjore Serena Jorge Universidade de São Paulo - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto

DOI:

https://doi.org/10.33361/RPQ.2019.v.7.n.15.166

Resumo

Resumo: Este artigo discute como as desigualdades regionais em saúde influenciam a configuração do sistema de saúde brasileiro atual. Trata-se de reflexão teórica embasada na análise da literatura e em dados secundários obtidos nos sites do Atlas de Desenvolvimento Humano, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e dos Indicadores de Desenvolvimento brasileiro – coeficiente de Gini 2011. As diferenças regionais de desenvolvimento humano, produção econômica e investimentos em saúde indicam-nos a necessidade de formulação de políticas públicas e ações específicas para cada região, com a participação social na formulação de políticas e fortalecimento dos princípios da boa governança.

Palavras-chave: Direito à Saúde; Desenvolvimento Humano; Brasil.

 

Health as a right in the brazilian context

Abstract: This article discusses health regional inequalities, which influence the organization of the Brazilian health system. This theoretical reflection is based on a literature review and secondary data analysis from the Human Development Atlas, United Nations Development Program, the Brazilian Geography and Statistics Institute and Brazilian Development Indicators (Gini Coefficient). The regional differences related to human development, economic production and health investments indicated the need to formulate public policies and specific actions for each region, with social participation in the implementation of policies and strengthening of good governance principles.

Keywords: Right to health; Human development; Brazil.

 

Referências

AKERMAN, M. et al. Saúde e desenvolvimento: que conexões?. In: CAMPOS, G.W. et al. (org.). Tratado de Saúde Coletiva. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2006. p. 111-135.

ALMA-ATA. Declaração de Alma-Ata. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde. Alma-Ata, URSS, 6-12 de setembro de 1978. Disponível em: http://cmdss2011.org/site/wp-content/uploads/2011/07/Declara%C3%A7%C3%A3o-Alma-Ata.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2017.

BRASIL. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização – Humaniza SUS – Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_2004.pdf. Acesso em: 30 set. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Série Pactos pela Saúde, v. 4. Brasília: Ministério da Saúde, 2006a. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_basica_2006.pdf. Acesso em: 30 set. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção de Saúde. Série Pactos pela Saúde, v. 7. Brasília: Ministério da Saúde, 2006b. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude_3ed.pdf. Acesso em: 30 set. 2015.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Regional. Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos – 2008. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Regional, 2008. Disponível em: http://www.snis.gov.br/diagnostico-agua-e-esgotos/diagnostico-ae-2008. Acesso em: 02 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. SUS: a saúde do Brasil. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sus_saude_brasil_3ed.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório Anual de Gestão (RAG) 2012. Brasília: Ministério da Saúde, 2012a. Disponível em: http://bvs.saude.gov.br/bvs/publicacoes/relatorio_anual_gestao_rag_2012.PDF. Acesso em 14 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n° 453 de 10 de maio de 2012b. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2012/res0453_10_05_2012rep.html. Acesso em: 17 set. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Série E. Legislação em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2012c. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/biblioteca.php?conteudo=publicacoes/pnab. Acesso em 17 set. 2015.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Indicadores de desenvolvimento brasileiro. Brasília, 2013. Disponível em: https://aplicacoes.mds.gov.br/sagirmps/simulacao/pdf/Indicadores%20de%20Desenvolvimento%20Brasileiro-final.pdf. Acesso em: 17 set. 2015.

BRASIL. Senado Federal. Agenda Brasil. Notícia publicada em 12/08/2015. Brasília, 2015. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2015/08/12/agenda-brasil. Acesso em: 30 set. 2015.

BRASIL.Secretaria-Geral. Subchefia para assuntos jurídicos. Decreto n° 9.759 de 11 de abril de 2019. Brasília, 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9759.htm. Acesso em: 14 jul. 2019.

BRASÍLIA. Conselho nacional de secretários de saúde (CONASS). Desafio: concretização do direito à saúde pública no Brasil. In: SIMON, L. C. Para enterder a gestão do SUS. Brasília, 2015. p. 03-09. Disponível em: https://www.conass.org.br/biblioteca/pdf/colecao2015/CONASS-DIREITO_A_SAUDE-ART_31.pdf. Acesso em: 11 jul. 2019.

BRASÍLIA Atlas do desenvolvimento humano. Ranking – todo o Brasil (2010). Brasília, 2013 Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/ranking. Acesso em: 10 ago. 2017.

CANÇADO TRINDADE, A.G. A proteção internacional dos direitos humanos: fundamentos jurídicos e instrumentos básicos. 1ª Edição. São Paulo: Saraiva, 1991.

CIELO, I. D; SCHMIDT, C. M; WENNINGKAMP, K. R. Políticas públicas de saúde no Brasil: uma avaliação do IDSUS no estado do Paraná (2011). DRd – Desenvolvimento Regional em debate, Canoinhas-SC, v. 5, n. 1, p. 211-230, jan./jun. 2015.

CRUZ, P. J. S. C. et al. Desafios para a Participação Popular me Saúde: reflexões a partir da educação popular na construção de conselhos local de saúde em comunidades de João Pessoa, PB. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 1087-1100, out./dez. 2012.

DAVID, G.; CARDOSO, A. A (des)Agenda Brasil desmonta o Estado e retira direitos dos brasileiros. Publicado em 12/08/2015. Brasília, 2015. Disponível em: http://www.inesc.org.br/noticias/noticias-do-inesc/2015/agosto/a-des-agenda-brasil-governabilidade-se-constroi-com-transparencia-e-participacao-social. Acesso em: 30 set. 2015.

FINKELMAN, J. (org). Caminhos da saúde no Brasil [online]. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002. Disponível em: http://books.scielo.org. Acesso em: 10 ago. 2017.

HEIDEMANN, I.T.S. A Promoção da Saúde e a Concepção Dialógica de Freire: possibilidades de sua inserção e limites no processo de trabalho das equipes de Saúde da Família. 2006. Tese (Doutorado em Ciências) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006.

LEONETI, A. B.; PRADO, E. L.; OLIVEIRA, S. V. W. B. Saneamento básico no Brasil: considerações sobre investimentos e sustentabilidade para o século XXI. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 45, n. 2, p. 331-48, mar./abr. 2011.

MARCOVITCH, J. Competição, Cooperação e Competitividade. In: MARCOVITCH, J. (org). Cooperação Internacional: estratégia e gestão. 1. ed. São Paulo: EDUSP, 1994. p. 47-64.

MENICUCCI, T. M. G. História da reforma sanitária brasileira e do Sistema Úico de Saúde: mudanças, continuidades e a agenda atual. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 21, n 1, p. 77-92, jan./mar. 2014.

MERHY, E.E.; QUEIROZ, M.S. Saúde pública, rede básica e o sistema de saúde brasileiro. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.9, n.2, p. 177-184, abr./jun. 1993.

NEW YORK. United Nations Development Programme (UNDP). Human Development Report 2002: Deepening democracy in a fragmented world. New York: Oxford University Press, 2002.

NEW YORK. United Nations Development Programme (UNDP). Relatório de Desenvolvimento Humano 2011. Sustentabilidade e Equidade: Um futuro melhor para todos. New York, 2011. Disponível em: http://mirror.undp.org/angola/LinkRtf/HDR_2011_PT.pdf. Acesso em: 30 set. 2015.

NEW YORK. United Nations Development Programme (UNDP). Human development report 2014 – Sustaining human progress: reducing vulnerabilities and building resilience. United States: PBM Graphics, 2014.

NEW YORK. United Nations Development Programme (UNDP). Human development report 2016 – Human development for everyone. Canada: Lowe-Martin Group, 2016.

PAULUS Jr, A.; CORDONI Jr, L. Políticas públicas de saúde no Brasil. Revista Espaço para Saúde, Londrina, v. 8, n.1, p. 13-19, dez. 2006.

PIOVESAN, F. Direitos Humanos e Justiça Internacional. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

PORTUGAL. Organização Mundial da Saúde (OMS). Redução das desigualdades no período de uma geração. Igualdade na saúde através da ação sobre os seus determinantes sociais. Relatório Final da Comissão para os Determinantes Sociais da Saúde. Portugal, 2010. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/bvsms/resource/pt/mis-24495. Acesso em: 30 set. 2015.

PREARO, L. C; MARACCINI, M. C; ROMEIRO, M. C. Fatores determinantes do Índice de Desenvolvimento Humano dos Município do Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 5, n 1, p. 132-155, jan./jun. 2015.

RAEFFRAY, A. P.O. Direito da Saúde. 1. ed. São Paulo: Quartier Latin, 2005.

RAMOS, J. G. G; ESQUIVEL, C. L. W. O direito à saúde como direito humano fundamental: breves considerações a respeito do seu formato legal à sua eficácia social. Ciências Sociais Aplicadas em Revista. Cascavel, v. 15, n.28, p. 9-40, jan./jun. 2015.

RIBEIRO, S. M. R. Reforma do aparelho de Estado no Brasil: uma comparação entre as propostas dos anos 60 e 90. In: VII CONGRESO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA, 7., 2002, Lisboa. Anais… Lisboa, Portugal, 2002. p. 01-21. Disponível em: http://unpan1.un.org/intradoc/groups/public/documents/clad/clad0043326.pdf. Acesso em: 30 set. 2015.

RIO DE JANEIRO. Agência nacional de saúde suplementar (ANS). Caderno de Informação da Saúde Suplementar – beneficiários, operadoras, planos de saúde – Dezembro 2008. Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: http://www.ans.gov.br/aans/noticias-ans/sobre-a-ans/906-caderno-de-informacao-da-saude-suplementar-edicao-dezembro2008. Acesso em: 30 set. 2015.

RIO DE JANEIRO. Associação brasileira de saúde coletiva. Dilma, preserve os interesses públicos na saúde! Saúde é Política de Estado. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://www.abrasco.org.br/site/2015/09/carta-saude-politica-de-estado/. Acesso em: 30 set. 2015.

RIO DE JANEIRO. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estatísticas da saúde – assistência médico-sanitária 2009. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://loja.ibge.gov.br/estatisticas-da-saude-assistencia-medico-sanitaria-2005-a-2009-microdados.html. Acesso em: 10 ago. 2017.

RIO DE JANEIRO. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Atlas do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/apps/atlas/. Acesso em: 10 ago. 2017.

RIO DE JANEIRO. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Contas regionais do Brasil 2012. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000019515011102014502214193696.pdf. Acesso em: 10 ago. 2017.

RIO DE JANEIRO. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/PNS/2013/pns2013.pdf. Acesso em: 10 ago. 2017.

RIO DE JANEIRO. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Gastos com ações e serviços públicos de saúde per capita – Estadual. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?vcodigo=MS30. Acesso em: 10 ago. 2017.

RIO DE JANEIRO. Organização Mundial da Saúde (OMS). Diminuindo diferenças: a prática das políticas sobre determinantes sociais da saúde: documento de discussão. Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: http://cmdss2011.org/site/wp-content/uploads/2011/10/Documento-Tecnico-da-Conferencia-vers%C3%A3o-final.pdf. Acesso em: 30 set. 2015.

ROCHA, C.V. Gestão pública municipal e participação democrática no Brasil. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 19, n. 38, p. 171-185, fev. 2011.

ROCHA, J. C. S. Direito da Saúde – Direito Sanitário na Perspectiva dos Interesses Difusos e Coletivos. 2. ed. São Paulo: LTr, 2011.

SANTOS, F. A. et al. A definição de prioridade de investimento em saúde: uma análise a partir da participação dos atores na tomada de decisão. PHYSIS Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 4, p. 1079-1094, out./dez. 2015.

SÃO PAULO. Carta capital. Agenda Brasil, de Renan, quer regular terceirizações e cobrar pelo SUS. Notícia publicada em 11/08/2015. São Paulo, 2015. Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/blogs/parlatorio/agenda-brasil-de-renan-quer-regular-terceirizacoes-e-cobrar-pelo-sus-2622.html. Acesso em: 30 set. 2015.

SÃO PAULO. Folha de São Paulo. Proposta de cobrança no SUS não é viável nem tem eficácia, diz Chioro. Notícia publicada em 11/08/2015, São Paulo, 2015. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/08/1667333-proposta-de-cobranca-no-sus-nao-e-viavel-nem-tem-eficacia-diz-ministro-da-saude.shtml. Acesso em: 30 set. 2015.

SÃO PAULO. Folha de São Paulo. Entenda decreto que põe fim a conselhos federais com atuação da sociedade. Notícia publicada em 03/05/2019. São Paulo, 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/05/entenda-decreto-que-poe-fim-a-conselhos-federais-com-atuacao-da-sociedade.shtml. Acesso em 14 jul. 2019.

SEN, A. Development as freedom. 1. ed. New York: Alfred A. Knopf, 1999.

SOARES, G. F. S. A Cooperação Técnica Internacional. In: MARCOVITCH, J. (org). Cooperação Internacional: estratégia e gestão. 1. ed. São Paulo: EDUSP, 1994. p. 165-218.

SOUZA, A.V.; KRÜGER, T. R. Participação social no SUS: proposições das Conferências sobre o Conselho Local de Saúde. Revista de Saúde Pública, Santa Catarina, v.3, n.1, p. 80-96, jan./jun. 2010.

SOUZA, D. O.; SILVA, S. E. V; SILVA, N. O. Determinantes Sociais da Saúde: reflexões a partir das raízes da “questão social”. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 44-56, jan./mar. 2013.

VENTURA, C. A. A. Health and human development: nursing and the human right to health in Brazil. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 29, n.1, p. 137-42, mar. 2008.

Publicado

2019-12-23

Edição

Seção

Estudos