A rede social no enfrentamento da violência nas escolas de ensino médio

Michelly Rodrigues Esteves, Maria das Graças Carvalho Ferriani, Maria Aparecida Beserra, Diene Monique Carlos, Andressa Janerini Oliveira, Bárbara Cristina Rodarte

Resumo


Resumo: O objetivo deste estudo foi identificar e analisar as redes sociais em torno de escolas de ensino médio para o enfrentamento dos casos de violência nesses espaços. Estudo com abordagem qualitativa, realizado na cidade de Alfenas, Minas Gerais, Brasil, em seis escolas urbanas públicas de ensino médio, com nove supervisores pedagógicos. Dados coletados por meio do Mapa Mínimo da Rede Social Institucional associado à entrevista semiestruturada. Os setores de apoio apontados nos mapas foram: Conselho Tutelar, Promotoria Pública, Guarda Municipal, Prefeitura Municipal, e universidades. A existência de vínculos reduzidos e a fragilidade significativa entre eles ressalta a necessidade de fortalecimento das redes sociais ao redor das instituições escolares.

Palavras-chave: Rede Social; Violência Escolar; Adolescente; Saúde.

 

The social network in the fight against the violence in high schools

Abstract: This study aimed to identify and analyze the social networks around high schools to face the cases of violence in these spaces. Qualitative approach, in the city of Alfenas, Minas Gerais, Brazil, in six urban public high schools, with nine educational supervisors. Data collected by means of Minimal Map of Corporate Social Network associated with semi-structured interviews. Guardianship Council, Prosecutor, Municipal Guard, City Hall and universities were the supporting sectors shown in the Maps. The reduced bonds and the significant weakness of existing ones highlights the need for strengthening social networks around high schools.

Keywords: Social Network; School Violence; Adolescent; Health.

 


Texto completo:

TEXTO COMPLETO

Referências


ABRAMOVAY, M. Escolas inovadoras: um retrato de alternativas. In: DEBARBIEUX, É. et al. (Org.). Desafios e alternativas: violências nas escolas. Edição publicada pela Representação da UNESCO no Brasil. Brasília: UNESCO, 2003. p. 185-221.

ARROYO, M. G. Quando a violência infanto-juvenil indaga a pedagogia. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 787-807, out. 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 27833.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução CNS nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova novas diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos, através da revogação das Resoluções CNS nº 196/96, 303/2000 e 404/2008. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 13 jun. 2013a. Seção 1, p. 59-62.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Viva): 2009, 2010 e 2011. Brasília: Ministério da Saúde, 2013b.

CARLOS, E. Contribuições da análise de redes sociais às teorias de movimentos sociais. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 19, n. 39, p. 153-166, jun. 2011.

CHARLOT, B. A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, Porto Alegre, v. 4, n. 8, p. 432-443, jul./dez. 2002.

COSTAS, J. M. M.; MORAN, J. M. A contribuição das tecnologias para uma educação inovadora. Contrapontos (UNIVALI), Itajaí, v. 4, n. 2, p. 347-356, maio/ago. 2004.

CUNHA, L. A. O sistema nacional de educação e o ensino religioso nas escolas públicas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 34, n. 124, p. 925-941, jul./set. 2013.

DAHLBERG, L. L.; KRUG, E. G. Violência: um problema global de saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, supl., p. 1163-1178, 2006.

FALEIROS, V. P.; FALEIROS, E. S. Escola que protege: enfrentando a violência contra crianças e adolescentes. 2. ed. Brasília: Secad/MEC, 2008.

FELIZARDO JÚNIOR, L. C.; UDE, W. Enfrentamento à violência, configurações e redes sociais: possibilidades teórico-metodológicas para a realização de intervenções. In: SANTOS, G.L.; FELIZARDO JÚNIOR, L. C.; UDE, W. (Org.). Escola, violência e redes sociais. 1.ed. Belo Horizonte: FAE/UFMG, 2009. p. 18-36.

FERRIANI, M. G. C.; CANO, M. A. T. O programa de saúde escolar no município de Ribeirão Preto. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 7, n. 4, p. 29-38, out. 1999.

GARONI, P. C.; OLIVEIRA, J. E. C.; FERRIANI, M. G. C. Violência escolar e Educação Física. EFDeportes.com, Revista Digital, Buenos Aires, v. 17, n. 167, abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2015.

GASTALDO, É. Esporte, violência e civilização: uma entrevista com Eric Dunning. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 14, n. 30, p. 223-231, jul./dez. 2008.

GONÇALVES, L. A. O.; SPÓSITO, M. P. Iniciativas públicas de redução da violência escolar no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, p. 101-138, mar. 2002.

HABIGZANG, L. F. et al. Fatores de risco e de proteção na rede de atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 19, n. 3, p. 379-386, 2006.

LIBERAL, E. F. et al. Escola segura. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 81, n. 5, supl., p. 155-163, 2005.

LIMA, J. S.; DESLANDES, S. F. A notificação compulsória do abuso sexual contra crianças e adolescentes: uma comparação entre os dispositivos americanos e brasileiros. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 15, n. 38, p. 819-832, 2011.

MACIEL, E. L. N. et al. Projeto aprendendo saúde na escola: a experiência de repercussões positivas na qualidade de vida e determinantes da saúde de membros de uma comunidade escolar em Vitória, Espírito Santo. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 389-396, jan./mar. 2010.

MALTA, D. C. et al. Vivência de violência entre escolares brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE). Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, supl. 2, p. 3053-3063, 2010.

MENDES, C. S. Prevenção da violência escolar: avaliação de um programa de intervenção. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 45, n. 3, p. 581-588, 2011.

OLIVEIRA, J. E. C. As ações das escolas, através de seus gestores, no processo de enfrentamento da violência escolar. 2009. 244f. Tese (Doutorado em Ciências) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009.

OLIVEIRA, C. B. E.; MARINHO-ARAÚJO, C. M. A relação família-escola: intersecções e desafios. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 27, n. 1, p. 99-108, jan./mar. 2010.

PINO, A. Violência, educação e sociedade: um olhar sobre o Brasil contemporâneo. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 763-785, out. 2007.

SANTOS, F. P. A. et al. Estratégias de enfrentamento dos dilemas bioéticos gerados pela violência na escola. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 267-281, 2011.

SILVA, C. A. Promotores de justiça e novas formas de atuação em defesa de interesses sociais e coletivos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 16, n. 45, p. 127-144, fev. 2001.

SILVA, J. G.; VALADARES, F. C.; SOUZA, E. R. O desafio de compreender a consequência fatal da violência em dois municípios brasileiros. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 17, n. 46, p. 535-547, jul./set. 2013.

SLUZKI, C. E. A rede social na prática sistêmica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

TORRES, J. O cavalo de Tróia da cultura escolar. 1.ed. Mangualde: Edições Pedago, 2010.

UDE, W. Enfrentamento da violência sexual infanto-juvenil e construção de redes sociais produção de indicadores e possibilidades de intervenção. In: CUNHA, E. P.; SILVA, E. M.; GIOVANETTI, M. A. C. (Org.). Enfrentamento à violência sexual infanto-juvenil: expansão do PAIR em Minas Gerais. 1. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p. 30-60.

ZOTTIS, G. A. H. et al. Violência e desenvolvimento sustentável: o papel da universidade. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 33-41, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O desenho do cabeçalho e da capa da Revista Pesquisa Qualitativa é de Carmem Aranha. Ele foi feito na praça São Benedito, diante de um arbusto cujo tronco (e galhos) lembravam um ideograma chinês. (Árvore de Amparo - Desenho e grafite 6B, c 15x21 cm). Agradecemos à Carmem Aranha por ter cedido sua arte à Revista.

 

Qualis Periódicos CAPES - (2013-2016)

ENSINO - B2

EDUCAÇÃO - B3

ENFERMAGEM - B4

PSICOLOGIA - B4

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO - B5

 

Indexadores

 

                                                    

                                                                                    

                                                                                                                                                                                                                    

 Licenciamento de Conteúdo/Content License

Licença Creative Commons
A revista RPQ - Revista Pesquisa Qualitativa, adota a política de licenciamento de seu conteúdo pela política do Creative Commons sob a licença: Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.