Vida de pesquisadora: o campo de pesquisa como ponto de partida para uma investigação etnográfica no urbano

Autores

  • Antonia Ieda de Souza Prado UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA
  • Milena Marcintha Alves Braz UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA

Resumo

Resumo: Tematizando a relação entre o pesquisador e o campo de pesquisa numa perspectiva qualitativa que envolve a objetividade cientítica e a necessária empatia para a abordagem etnográfica, este artigo exprime um percurso metodológico que tomou como ponto de partida um contexto de mobilidade urbana e pobreza num bairro da periferia da cidade de Fortaleza-Ceará-Brasil. Para realização da investigação, foram realizadas muitas observações in loco que resultaram em registros visuais por meio de fotografias, registro das falas dos moradores com suporte em conversas informais, histórias de vida, entrevistas; e, ainda, descrição do lugar e das relações por meio de diários de campo. O texto narra as dificuldades, impasses e aprendizados que os pesquisadores enfrentam para a compreensão dos fatos sociais.

Palavras-chave: Etnografia; Mobilidade urbana; Pobreza.

 

Researcher's life: the inquiry field as starting point to an ethnographic urban investigation

Abstract: Thematizing the relation between the researcher and the inquiry field in a qualitative perspective that wraps the scientific objectivity and the necessary empathy for the etnographic approach. This article expresses the methodological course that took as starting point the inquiry field in a context of urban mobility and poverty at a peripheral district at the city of Fortaleza-Ceara-Brazil. For the fulfillment of the investigation, many observations 'in loco' were carried out, resulting in visual registers through photos, register of the words of residents with support in informal conversations, life stories, interviews and the description of the location and the relations throught field diaries. The text narrates the difficulties, impasses and learnings that the investigators face for the understanding of the social facts.

Keywords: Ethnography; Urban mobility; Poverty.

 

Biografia do Autor

Antonia Ieda de Souza Prado, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA

Centro de Educação

Milena Marcintha Alves Braz, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA

Departamento de Economia Doméstica

Referências

BARTHES, R. A Câmara Clara: nota sobre a fotografia. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

DA MATTA, R. Relativizando: Uma Introdução à Antropologia Social. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 1984.

GEERTZ, C. A interpretação das Culturas. 1. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GEERTZ, C. O saber local. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

GEERTZ, C. Nova Luz sobre a Antropologia. 1. ed. Rio de janeiro: Zahar, 2001.

GINZBURG, C. Mitos, Emblemas e sinais. 1. ed. São Paulo: Cia das Letras, 1989.

MAUSS, M. Sociologia e antropologia. 1. ed. São Paulo: EPU/EDUSP, 1974.

PRADO, A. I. S.; BRAZ, M. M. A. Pesquisa qualitativa na apreensão da mobilidade urbana: o campo de pesquisa como ponto de partida para uma investigação etnográfica.

In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO EM INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA - INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA EM CIÊNCIAS SOCIAIS, 5., 2016, Porto. Atas do... Porto: Ludomedia, 2016. Disponível em: < http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2016/article/view/992 >. Acesso em: 05 fev. 2017.

PROCURADOR PEDE PARALISAÇÃO DE OBRAS. Jornal O Povo. Fortaleza. 21 set. 2002.

MORAES FILHO, E. Simmel. Grandes Cientistas Sociais. 1ª. Ed. São Paulo: Ática, 1983.

SIMMEL, G. (Sociologia 1). 1. ed. Madri: Alianza Editorial, 1986.

WEBER, M. Ciência Política – Duas Vocações. São Paulo: Cultrix, 1970.

ZALUAR, A. A máquina e a revolta: as organizações populares e o significado da pobreza. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2000.

Publicado

2017-07-12