Relações informais de trabalho e o acesso à proteção social

Autores

  • Helenara Silveira Fagundes Universidade Federal de Santa Catarina
  • Maria Helena de Medeiros de Souza Programa de Pós Graduação em Serviço Social - Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Resumo: Este texto trata-se de relatar o processo metodológico aplicado na pesquisa–possibilidades e limites doacesso dos trabalhadores com relações informais de trabalho à proteção social -é uma pesquisa qualitativa, de campo - denominada pesquisa empírica, com a finalidade de obter informações e/ou conhecimento acerca do acesso à política previdenciária pelos vendedores ambulantes da parte insular de Florianópolis, Brasil, cujos vínculos trabalhistas não existem, pois estes trabalham por conta própria, numa constante relação dual entre o formal e o informal, sem alterar as condições de precariedade em seus processos de trabalho. O estudo conclui que o eixo central do trabalho informal é determinado pela precarização do trabalho, extensão da jornada de trabalho, insegurança salarial e desproteção social.

Palavras-chave: Proteção social; Trabalhadores; Relações informais de trabalho; Pesquisa qualitativa.

 

Informal relations of work and the access to social protection

Abstract: This paper prsents the methodological processused in the study–Opportunities and Limits to theAccess of Informal Workers to Social protection. It is a qualitative empirical field study, whose objective was to obtaininformation about Access to social security protections among street vendors in Florianopolis, Brazil, These vendors do not have formal employment ties because they are self-employed. They are locked in a constant dual relationshipbetween the formal and the informal, while the precarious condition of their work is permanent. The study concludes that the central element of informal labor is determined by the increased precarity of work, the length of the working day, in comein security and the lack of social protection.

Keywords: Social protection; Workers; Informal working relationships; Qualitative research.

 

Biografia do Autor

Helenara Silveira Fagundes, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina; Professora do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina; Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas Estado, Sociedade Civil e Políticas Públicas e Serviço Social- NESPP

Maria Helena de Medeiros de Souza, Programa de Pós Graduação em Serviço Social - Universidade Federal de Santa Catarina

Mestre em Serviço Social pelo e Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina -SC- Brasil. Assistente Social do Instituto Nacional do Seguro Social Florianópolis- SC

Referências

ALENCAR, M. M. T. As Políticas públicas de emprego e renda no Brasil: do “nacional-desenvolvimentismo” ao “nacional-empreendedorismo”. In: BOSCHETTI, I.; ALMEIDA, M. H. T. de.Trabalho e Seguridade Social: percursos e dilemas.São Paulo: Cortez, 2008. p.117-137.

ANTUNES, R. Os Sentidos do trabalho: Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho.2. ed. São Paulo: Boitempo, 2009.

BOURGUIGNON, J. A. A particularidade histórica da pesquisa no Serviço Social.RevistaKatalysis, Florianópolis, v.10. n. especial, p. 46-54, jan./jun.2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil – 1998. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8212cons.htm>. Acesso em: 07 ago. 2014.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei nº 8.212, de 1991. Lei Orgânica sa Seguridade Social. Brasília. 1991. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8212cons.htm>. Acesso em: 25 jul. 2013.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei nº 8.213, de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providênciasBrasília. 1991. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8213cons.htm>. Acesso em: 25 jul. 2013.

BRASIL. Presidência da República. DECRETO Nº 99.350, de 1990. Brasília. 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/antigos/D99350impressao.htm>. Acesso em: 06 ago. 2014.

LARA, R. Pesquisa e Serviço Social: da concepção burguesa de ciências sociais à perspectiva ontológica. Revista Katalysis, Florianópolis, v.10. n. especial, p.73-82, jan./jun. 2007.

LIRA, I. C. D. Informalidade: reflexões sobre o tema. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 69, p. 140-150, 2002.

LIRA, I. C. D. Estratégias alternativas ao seguro social utilizadas pelos trabalhadores por conta própria de Cuiabá-MT. 2003. 186 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) –Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

MALAGUTTI, M. L. Crítica à razão informal: a imaterialidade do assalariado. 1. ed. São Paulo/Vitória: Boitempo/EDUFESS, 2000.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes,1994.

MOTA, A. E. Seguridade Social brasileira: Desenvolvimento histórico e tendências recentes. In: MOTA, A. E. et al. Serviço Social e Saúde. São Paulo: Cortez, 2006. p. 40-48.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método em Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

PASTORE, J. Como reduzir a informalidade. 2000. Disponível em: <http://www.josepastore.com.br/artigos/ti/ti_004.htm>. Acesso em: 25 jan. 2014.

PEREIRA, P. A. Política social: temas & questões. Edição.São Paulo: Cortez, 2008

PONTES, R. N. Mediação: categoria fundamental para o trabalho do assistente social. Brasília: UNB/CEAD, 2000. (Cadernos do Programa de Capacitação- Módulo 4 – O Trabalho do Assistente Social e as Políticas Sociais, CFESS/ABEPSS/UNB)

SILVA, M. L. L. Previdência Social no Brasil: (des) estruturação do trabalho econdições para sua universalização. São Paulo: Cortez, 2012.

TAVARES, M. A. Os fios (in) visíveis da produção capitalista: informalidade e precarização do trabalho. São Paulo: Cortez, 2004.

TRIVIÑOS, A. N. Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação.1. ed. São Paulo: Atlas, 1987.

Publicado

2017-07-12