Metodologia e ética feministas em pesquisa social com mulheres em situação de pobreza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33361/RPQ.2022.v.10.n.24.500

Resumo

A construção da pesquisa social feminista é um processo de constante reflexão e autocrítica. Neste artigo, sistematizamos e defendemos uma visão sobre as responsabilidades científicas e políticas envolvidas na pesquisa feminista e propomos o processo de entrevistas narrativas como metodologia propícia para essa perspectiva. Destacamos, nesse processo, a pertinência e a relevância da ética feminista, entendida em termos técnicos e políticos. A proposta é construída a partir da exposição reflexiva da experiência de uma pesquisa qualitativa desenvolvida com mulheres em situação de pobreza para investigar autonomia feminina e desafios para a quebra do ciclo intergeracional da pobreza. A pesquisa foi realizada no ano de 2018, em seis capitais brasileiras, com a participação de noventa e sete mulheres titulares do Programa Bolsa Família. Argumentamos que a entrevista narrativa, com perspectiva feminista, contribui para pesquisas qualitativas preocupadas com a qualidade da pesquisa e com as responsabilidades éticas das investigadoras.

Palavras-chave: Métodos qualitativos; Abordagem feminista; Classes populares; Técnicas de entrevista; Entrevista narrativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ABAD MIGUÉLEZ, B. Investigación social cualitativa y dilemas éticos: de la ética vacía a la ética situada. EMPIRIA: Revista de Metodología de Ciencias Sociales, Madrid, n. 34, p. 101-119, mayo/ago. 2016. https://doi.org/10.5944/empiria.34.2016.16524

BECK, U.; BECK-GERNSHEIM, E. La individualización: el individualismo institucionalizado y sus consecuencias sociales y políticas. Barcelona: Paidós, 2003.

CASTRO SÁNCHEZ, A. M. Implicaciones teóricas, políticas y metodológicas de la investigación activista feminista. Empiria: Revista de Metodología de Ciencias Sociales, Madrid, n. 50, p. 67-89, mar./extraordinario 2021. https://doi.org/10.5944/empiria.50.2021.30372

COLLINS, P. H. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Parágrafo, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 6-17, jan./jun. 2017.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introduction. The Discipline and Practice of Qualitative Research. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Org.). The Sage Handbook of Qualitative Research. 3. ed. London: Sage, 2005. p. 1-32.

FLICK, U. Introduçã'o à pesquisa qualitativa. Tradução de Joice Elias Costa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009a.

FLICK, U. Qualidade na pesquisa qualitativa: coleção pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman Editora, 2009b.

JIMÉNEZ CORTÉS, R. Diseño y desafíos metodológicos de la investigación feminista en ciencias sociales. Empiria: Revista de Metodología de Ciencias Sociales, Madrid, n. 50, p. 177-200, mar./extraordinario 2021. https://doi.org/10.5944/empiria.50.2021.30376

JOVCHELOVITCH, S.; BAUER, M. W. Entrevista Narrativa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto imagem e som. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 90-113.

LAHIRE, B. Patrimônios individuais de disposições: para uma sociologia à escala individual. Sociologia, problemas e práticas, Oeiras, n. 49, p. 11-42, set. 2005.

LAHIRE, B. Retratos sociológicos: disposições e variações individuais. Tradução de Patrícia Chittoni Ramos Reuillard e Didier Martin. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MINAYO, M. C. S. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa, São Paulo, v. 5, n. 7, p. 1-12, 2017.

NARVAZ, M. G.; KOLLER, S. H. Metodologias feministas e estudos de gênero: articulando pesquisa, clínica e política. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 3, p. 647-654, dez. 2006. https://doi.org/10.1590/S1413-73722006000300021

RIBEIRO, J.; SOUZA, F. N.; LOBÃO, C. Saturação da análise na investigação qualitativa: quando parar de recolher dados?. Revista Pesquisa Qualitativa, São Paulo, v. 6, n. 10, p. iii-vii, abr. 2018.

SANTOS, F. Pesquisa Qualitativa: o debate em torno de algumas questões metodológicas, Revista Angolana de Sociologia, Luanda, v. 14, p. 11-24, 2014. https://doi.org/10.4000/ras.1058

SANTOS, H. Narrativas biográficas: fundamentos epistemológicos e metodológicos para a condução de pesquisa empírica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 18., 2017, Brasília. Anais... Brasília: SBS, 2017. p. 1-19.

SANTOS, H.; OLIVEIRA, P.; SUSIN, P. Narrativas e pesquisa biográfica na sociologia brasileira: revisão e perspectivas. Civitas-Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 14, n. 2, p. 359-382, maio./ago. 2014. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2014.2.17152

SOUZA, M. F. de; MARIANO, S. A.; FERREIRA, L. P. Tecendo fios entre interseccionalidade, agência e capacidades na teoria sociológica. Civitas-Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 21, n.3, p. 423-433, set./dez. 2021. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.3.40509

TOURAINE, A. Pensar outramente: o discurso interpretativo dominante. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

WELLER, W. Tradições hermenêuticas e interacionistas na pesquisa qualitativa: a análise de narrativas segundo Fritz Schütze. In: ENCONTRO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 32., 2009, Caxambu. Anais... Caxambu: ANPEd, 2009. p. 1-15.

Downloads

Publicado

2022-08-26

Como Citar

Mariano, S. A., Penati Ferreira, L., & Ferreira de Souza, M. (2022). Metodologia e ética feministas em pesquisa social com mulheres em situação de pobreza. Revista Pesquisa Qualitativa, 10(24), 192–212. https://doi.org/10.33361/RPQ.2022.v.10.n.24.500