Preceptoria na residência médica em hospital público de emergência além das atividades prescritas: relato por meio de incidentes críticos

Main Article Content

Camille Lemos Cavalcanti Wanderley
Maria de Lourdes Fonseca Vieira
Maria Viviane Lisboa de Vasconcelos

Abstract

Resumo: As Diretrizes Curriculares Nacionais da Medicina enfatizam a lacuna existente no ensino de emergência e a especificidade da preceptoria nesse cenário. Este estudo analisa a influência dos fatores psicossociais do trabalho no fazer pedagógico do preceptor, numa abordagem qualitativa, na modalidade estudo de caso. Foi desenvolvido em hospital público de emergência do nordeste do Brasil. Participaram cinco preceptores de Residência Médica, submetidos à entrevista individual através da técnica do incidente crítico. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo, a partir da qual foram identificados os fatores psicossociais inerentes ao trabalhador e internos ao trabalho que influenciam a preceptoria. As evidências destacam ainda a reduzida formação pedagógica e a imobilização do poder de agir em competência dos preceptores, sendo necessário o fortalecimento da formação pedagógica e da identidade profissional. Ressalta-se a necessidade de problematizar o cotidiano do processo de trabalho em saúde para transformar a formação de quem forma.

Palavras-chave: Preceptoria; Residência médica; Análise e Desempenho de Tarefa; Hospital de emergência; Clínica da Atividade.

 

Medical residency preceptorship at a public emergency hospital beyond prescribed activities: report of critical incidentes

Abstract: The National Curricular Guidelines of Medicine emphasize the gap in emergency teaching and the specificity of the role of preceptor in this setting. The present study analyzes the influence of the psychosocial factors of work on the pedagogic performance of preceptors, using a qualitative approach and a case study. The research was conducted at a public emergency hospital in Northeastern Brazil. The five preceptors from the medical residency that participated were interviewed individually using the critical incident technique. The data were submitted to content analysis and the psychosocial factors inherent to the worker and specifically to the work that influences preceptors were identified. The evidence highlights insufficient pedagogic training and the lack of action on behalf of preceptors, demonstrating the need for strengthening pedagogical training and professional identity. It is important to investigate the daily work process in health, in order to transform training procedures.

Keywords: Preceptorship; Medical residency; Task and performance analysis; Emergency hospital; Activity clinic.

 

Article Details

Section
Research Articles
Author Biography

Camille Lemos Cavalcanti Wanderley, Centro Universitário Tiradentes

Mestrado em Educação na Saúde, pela Faculdade Federal de Alagoas/ UFAL, Brasil ( 2019). Graduada em PSICOLOGIA e com Licenciatura Plena pelo Centro de Estudos Superiores de Maceió - CESMAC (1999). Psicóloga Clínica com formação em Terapia Cognitiva Comportamental. Atua na Coordenação da Rede de Atenção às Vítimas de Violência Sexual- Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas, também desenvolve trabalhos de consultoria, pesquisa e docência na área de Gestão do Trabalho, Psicologia e Medicina. Professora Assistente do Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL

References

AFONSO, D. H.; SILVEIRA, L. M. C. Os desafios na formação de futuros preceptores no contexto de reorientação da educação médica. Revista HUPE, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 82-86, dez. 2012.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARDIN, L. Organização da análise. In: BARDIN, L. Análise de conteúdo. 7. ed. São Paulo: Edições 70, 2011. p. 125-131.

BARROS, M. E. et al. A técnica do incidente crítico: uma estratégia de gestão na saúde materno infantil. Revista Inova Saúde, Criciúma, v. 6, n. 1, p. 140-154, jul. 2017.

BENDASSOLLI, P. F.; SOBOLL, L. A. P. Introdução às clínicas do trabalho: aportes teóricos, pressupostos e aplicações. In: BENDASSOLLI, P. F.; SOBOLL, L. A. P. (org.). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2010. p. 3-21.

BORGES, M. E. S. Trabalho e gestão de si: para além dos “recursos humanos”. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 7, p. 41-49, nov. 2004.

BOTTI, S. H. O.; REGO, S. T. A. Docente-clínico: o complexo papel do preceptor na residência médica. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 65-85, 2011.

BRASIL. Decreto nº 80.281, de 05 de setembro de 1977. Regulamenta a Residência Médica, cria a Comissão Nacional de Residência Médica e dá outras providências. Brasília: República Federativa do Brasil, 1977.

BRASIL. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem feito para o seu fortalecimento? Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. Portaria nº 2.048, de 02 de novembro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Resolução CNRM nº 2, de 17 de maio de 2006. Dispõe sobre requisitos mínimos dos Programas de Residência Médica e dá outras providências. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

BRASIL. Resolução CNE/CES nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Brasília: Ministério da Educação, 2014.

CASTELLS, M. A.; CAMPOS, C. E. A.; ROMANO, V. F. Residência em medicina de família e comunidade: atividades da preceptoria. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 40, n. 3, p. 461-469, jul./set. 2016.

CECILIO, L. C. O. Escolhas para inovarmos na produção do cuidado, das práticas e do conhecimento: como não fazermos “mais do mesmo”? Saúde e sociedade, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 280-289, abr./jul. 2012.

CLOT, Y. et al. Entrevista: Yves Clot. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 99-107, jun. 2006.

CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

CLOT, Y. Entrevista. Mosaico: Estudos em Psicologia, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 65-70, jan./jun. 2008.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

CLOT, Y. Clínica do trabalho e clínica da atividade. In: BENDASSOLLI, P. F.; SOBOLL, L. A. P. (org.). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2010. p. 71-83.

DAL PAI, D.; LAUTERT, L. Work under urgency and emergency and its relation with the health of nursing professionals. Rev. Latino-am. Enfermagem, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 439-444, maio./jun. 2008.

FEUERWERKER, L. C. M. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2014.

FLANAGAN, J. C. The critical incident technique. Psychological bulletin, v. 51, n. 4, p. 327-358, 1954.

FRENK, J. et al. Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. Lancet, Inglaterra, v. 376, n. 9756, p. 1923-1958, nov. 2010.

GARLET, E. R. et al. Organização do trabalho de uma equipe de saúde no atendimento ao usuário em situações de urgência e emergência. Texto-Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 266-272, abr./jun. 2009.

GOLDIM, J. R. Aspectos éticos da assistência em situações de emergência e urgência. 2. ed. Porto Alegre: UFRS, 2003.

INTERNATIONAL LABOUR ORGANIZATION. Psychosocial factors at work: recognition and control. Geneva: ILO Publications, 1986.

LIMA, M. E. Abordagens clínicas e saúde mental no trabalho. In: BENDASSOLLI, P. F.; SOBOLL, L. A. (org.). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2011. p. 227-253.

MALHEIROS, B. T. Metodologia da pesquisa em educação. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

MARTINS, G. A. Estudo de caso: uma reflexão sobre a aplicabilidade em pesquisa no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 9-18, jan./abr. 2008.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

NAUJORKS, C. J. Cotidiano e Identidade na Clínica da Atividade e na Ergologia. PSI UNISC – Revista do Departamento de Psicologia, Santa Cruz do Sul, v. 2, n. 1, p. 33-47, jan./jun. 2018.

PERRENOUD, P. Novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PERRENOUD, P. et al. As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.

PINHEIRO, F. P. H. A. et al. Clínica da atividade: conceitos e fundamentos teóricos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 68, n. 3, p. 110-124, dez. 2016.

RIBEIRO, E. C. O. Exercício da preceptoria: espaço de desenvolvimento de práticas de educação permanente. Rev do Hosp Univ Pedro Hernesto UERJ, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 77-81, jan./abr. 2012.

ROCHA, C. T. M.; AMADOR, F. S. A respeito do conceito de experiência na clínica da atividade. Pesquisas e práticas psicossociais, São João del Rei, v. 13, n. 2, p. 1-15, maio./ago. 2018.

SANT’ANA, E. R. R. B.; PEREIRA, E. R. S. Preceptoria Médica em Serviço de Emergência e Urgência Hospitalar na Perspectiva de Médicos. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 40, n. 2, p. 204-215, abr./jun. 2016.

SHIKASHO, L. Os Programas de Residência e a integralidade da atenção: um estudo sobre a micropolítica do trabalho e da formação em saúde. 2013. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2013.

SILVA, A. T. B.; CARRARA, K. Habilidades sociais e análise do comportamento: compatibilidades e dissensões conceitual-metodológicas. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 16, n. 2, p. 330-350, ago. 2010.

SILVA, K. L.; MATOS, J. A. V; FRANÇA, B. D. A construção da educação permanente no processo de trabalho em saúde no estado de Minas Gerais, Brasil. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, p. 1-8, 2017.

SOARES, A. C. P. et al. A importância da regulamentação da preceptoria para a melhoria da qualidade dos programas de residência médica na Amazônia Ocidental. Cadernos ABEM, Rio de Janeiro, v. 9, n.9, p. 14-22, out. 2013.

TELLES, A. L.; ALVAREZ, D. Interfaces ergonomia-ergologia: uma discussão sobre o trabalho prescrito e normas antecedentes. In: FIGUEIREDO, M. et al. (org.). Labirintos do trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. p. 63-69.

VALENTIM, M. R. S.; SANTOS, M. L. S. C. Políticas de saúde em emergência e a enfermagem. Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v.62, n. 2, p. 285-289, mar./abr. 2009.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Transforming and scaling up health professional’s education and training. Geneva: World Health Organization, 2013.

WUILLAUME, S. M. O processo ensino-aprendizagem na residência médica em pediatria: uma análise. 2000. Tese (Doutorado em Saúde da Criança e da Mulher) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2000.

ZAIDHAFT, S. A saúde mental dos estudantes de medicina: reminiscências e conjecturas de um mestre-escola. Revista de Medicina, São Paulo, v. 98, n. 2, p. 86-98, mar./abr. 2019.

ZANELLI, J. C.; KANNAN, L. A. Fatores de risco e de proteção psicossocial: organizações que emancipam ou que matam. Lages: Editora da Uniplac, 2018.

ZARIFIAN, P. O modelo da competência: trajetória histórica, desafios atuais e propostas. São Paulo: Editora Senac, 2003.