Sistematização de experiências como método para elaborar a crítica política

Main Article Content

Leonardo Carnut
Áquilas Mendes
Lúcia Dias da Silva Guerra
Thaís Teodoro Goraieb
Tarsila Teixeira Vilhena Lopes

Abstract

Resumo: Este artigo visa discorrer sobre a relevância da Sistematização de Experiências como método que ajuda a elaborar uma crítica política aos coletivos. Para alcançar este objetivo, o texto divide-se em três seções. Uma primeira, onde se apresenta as características e fundamentos do método de Sistematização de Experiências, ressaltando seu caráter especificamente crítico-político. A segunda, na qual se abordará as questões relativas à ação, fruto da reflexão (a relação entre pensamento freireano, a luta social e a saúde) de um coletivo chamado ‘Formação é Política’ sediado na cidade de São Paulo – SP (Brasil). E, por fim, discorre-se sobre o uso aplicado do método ao objeto de reflexão, demonstrando como a articulação sistematizada pode proporcionar apontamentos mais claros para guiar as ações futuras do coletivo.

Palavras-chave: Sistematização de experiência; Pensamento freireano; Marxismo; Luta social; Saúde.

 

Systematization of experiences as a method for preparing political criticism

Abstract: This article aims to discuss the relevance of the Systematization of Experiences as a method that helps to develop a political critique of collectives. To achieve this goal, the text is divided into three sections. The first one presents the characteristics and fundamentals of the Systematization of Experiences method, emphasizing its specifically critical-political character. The second, in which the questions related to action will be addressed, as a result of the reflection (the relationship between Freire's thought, social struggle and health) of a collective called 'Formation is Politics' based in the city of São Paulo - SP (Brazil). And, finally, it discusses the applied use of the method to the object of reflection, demonstrating how the systematic articulation can provide clearer points to guide the collective's future actions.

Keywords: Systematization of experience; Freirean thinking; Marxism; Social struggle; Health.

 

Article Details

Section
Studies
Author Biography

Lúcia Dias da Silva Guerra

Faculdade de Saúde Pública - Universidade de São Paulo (FSP-USP)

References

ABRASCO. Associação Brasileira de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/eventos/congresso-brasileiro-de-ciencias-sociais-e-humanas-em-saude/a-dificil-construcao-do-dialogo-das-ciencias-sociais-nas-graduacoes-em-saude/1422/. Acesso em: 19 fev. 2019

ALTAMIRA, F., CANARIAS, E. La sistematización de experiencias en el Sur y en el Norte: ¿iguales o diferentes? el proceso del grupo de trabajo de voluntariado de la Congde, Bilbao. Acesso em: 02, mar 2019. Disponível em: http://centroderecursos.alboan.org/ebooks/0000/0712/6_INC_SIS.pdf, 2003.

BOBBIO, N. Política. In: BOBBIO, N. Dicionário de Política. 13. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 2016. p. 954-962.

BRAVO, M. I. S. Serviço Social e Reforma Sanitária: lutas sociais e práticas profissionais. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CANSI, L. S. “No canto do mundo do capital”: sobre experiência, educação e arte. Revista Educação, Artes e Inclusão, Pelotas, v. 16, n. 1, p. 34-56, jan./mar. 2020.

CARNEIRO, G. Clubes de troca: rompendo o silêncio, construindo outra história. 2. ed. rev. – Curitiba: Editora Popular: CEFURIA, 2011.

CARNUT, L. et al. Principais desafios do acolhimento na prática da atenção à saúde bucal: subsídios iniciais para uma crítica. Revista da ABENO, Londrina, v. 17, n. 4, p. 46-62, 2017.

CARNUT, L. et al. Sistematização de experiência como método para elaborar a crítica entre pensamento freireano, luta social e saúde. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA, 8., 2019, Lisboa. Anais... Lisboa: Ludomedia, 2019, p. 344-353.

CARVALHO, Y. M., CECIM, R. B. Formação e educação em saúde: aprendizados com a saúde coletiva. In: CAMPOS, G. W. S. et al. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Editora Hucitec, Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006. p. 137-170.

CHAVEZ-TAFUR, J. Aprender com a prática: uma metodologia para sistematização de experiências. Lima, Peru:AS-PTA, 2007.

CRUZ, S. V. 1968: Movimento estudantil e crise na política brasileira. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 2, p. 37-55, 1994.

CURADO, F. F.; SANTOS, A. S.; OLIVEIRA, M. J. Sistematização de experiências agroecológicas no território Semiárido Nordeste II, Bahia. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 31, n. 2, p. 349-380, maio/ago, 2014.

D´ASCENZI, L., LIMA, L. L. Análise da implementação do método da roda no sistema de saúde de campinas. SP. Sociais e Humanas, Santa Maria, v. 26, n. 1, p. 67-78, jan./abr. 2013.

FERNANDES, F. L.; EDMUNDO, K.; DACACH, S. Sistematização de experiências de prevenção à violência contra jovens. Rio de Janeiro: Observatório de Favelas, 2009.

FERREIRA, A. M. D. et al. Roteiro adaptado de análise de conteúdo – modalidade temática: relato de experiência. J. nurs. health., Pelotas, v. 10, n. 1, p. 1-8, 2020.

FRAGA, A. et al. Uma reflexão sobre a sistematização de aprendizados organizacionais a partir de iniciativas de inclusão produtiva em Unidades de Conservação de Uso Sustentável. Biodiversidade Brasileira, Brasília, v. 5, n. 1, p. 94-105, 2015.

FREIRE, P. Virtudes do educador. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 1985.

FREIRE, P. Não há docência sem discência. In: FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996. p. 21-45.

GALARRAGA, A, M. F. Relações pedagógicas e práticas socioambientais: uma prática de sistematização de experiência. 2013.Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Campus São Leopoldo, Porto Alegre, 2013.

GEROMINI, P. R. P. Detecção da violência contra mulher na consulta médica com o uso do instrumento “Conflitos Familiares Difíceis”: uma sistematização de experiência. 2019. Dissertação (Mestrado em Saúde da Família) – Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu – São Paulo, 2019.

GOYENECHE, C. E. P.; PLATA, O. F. A.; GARCÍA, P. A. M. Apropiación de dispositivos móviles en educación: una experiencia de sistematización sobre uso pedagógico de TIC en tabletas. Revista interamericana de investigación, educación y pedagogía, Bogotá, v. 13, n. 1, p. 13-30, dic. 2020.

GONZÁLEZ, J. Translating global evidence into local practice: The Latin American experience. Revue internationale d’éducation de Sèvres, Sèvre, v. speciaux, n. 3, p. 1-6, jun. 2019.

HOLLIDAY, O. J. Para sistematizar experiências. 2.ed. revista. – Brasília: MMA, 2006.

HOLLIDAY, O. J. Sistematização de Experiências: Aprender a dialogar com os processos. Lisboa: Ed. CIDAC, 2008.

KUBO, R. R. Metodologias participativas e sistematização de experiências. In: SOGLIO, F.; KUBO, R. R. Agricultura e sustentabilidade. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2009. p. 135-150.

JINKINGS, I.; DORIA, K. E; CLETO, M. Por que gritamos Golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Editora Boitempo, 2016.

MARIÁTEGUI, J. C. Sobre a Educação. In: MARIÁTEGUI, J. C. Sete ensaios de interpretação da realidade peruana. São Paulo: Alfa-Ômega, 1975. p. 73-112.

MARX, K.; ENGELS, F. O manifesto comunista. 5a. reimpressão. São Paulo: Boitempo, 2007.

MOREIRA, G. O. et al. Inclusão social e ações afirmativas no ensino superior no Brasil: para quê? Revista Educação Superior, Campinas, 2017. Disponível em: https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/artigos/inclusao-social-e-acoes-afirmativas-no-ensino-superior-no-brasil-para-queij. Acesso em: 19 fev. 2019.

MOURA, M. R. L. O Grêmio Estudantil na gestão da escola democrática: protagonismo e resiliência ou despolitização das práticas formativas? Revista de Ciências da Educação UNISAL, São Paulo, v. XII, n. 23, p. 273-292, 2º semestre. 2010.

OLIVEIRA, M. R. et al. Nursing care systematization: perceptions and knowledge of the Brazilian nursing. Rev Bras Enferm, São Paulo, v. 72, n. 6, p. 1547-53, nov./dez. 2019.

PELOSO, R. Trabalho de base: seleção de roteiros selecionados pelo Cepis. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

PEREIRA, A. L. F. As tendências pedagógicas e a prática educativa nas ciências da saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 5, p. 1527-1534, 2003.

RODRÍGUEZ, C. S. Una propuesta epistemológica para la sistematización de experiencias generada desde la reflexión sobre la práctica. Revista interamericana de educación, pedagogía y estudios culturales, Colombia, v. 9, n. 2, p. 11-26, jul./dic. 2016.

RODRÍGUEZ-SOSA, J. et al. Systematization of a Training Experience for In-service Teachers through the Use of an Action Research Component. Purposes and Representations, Lima, v. 7, n. 1, p. 107-145, jan./apr. 2019.

SCHWARTZ, G. A. D. A saúde na pós-modernidade. Revista de Direito Sanitário, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 29-37, mar. 2002.

SIMON, A. A. Sistematização de processos participativos: o caso de Santa Catarina. Rev. Bras. Agroecologia, Florianópolis, v.2, n.1, p. 1-4, fev. 2007.

TRAGTENBERG, M. Sobre educação, política e sindicalismo. 3. ed. São Paulo: Editora Unesp, 2007.

TRIGOS-CARRILLO, L.; FONSECA, L.; REINOSO, N. Social Impact of a Transformative Service-Learning Experience in a Post-conflict Setting. Front. Psychol., Lausanne,

Switzerland, v. 11, n. 47, p. 1-12, jan. 2020.