Desconstruções estratégicas para abordagens qualitativas: o binarismo e as percepções do outro

Autores

  • Guilherme Bergo Leugi Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer http://orcid.org/0000-0002-0037-0138
  • Cátia Regina Muniz Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer
  • Giovanni Moura de Holanda Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer
  • Angela Maria Alves Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer

DOI:

https://doi.org/10.33361/RPQ.2019.v.7.n.13.193

Resumo

Resumo: A discussão ora apresentada nasceu de um projeto de pesquisa conduzido no âmbito de um laboratório multidisciplinar para desenvolvimento de metodologias e sistemas de avaliação de políticas públicas e corporativas, produto de interlocuções multidisciplinares. O trabalho apresenta fundamentos epistemológicos e metodológicos para compreender populações marginalizadas e suas demandas para políticas públicas do ponto de vista de uma análise contextual baseada nos princípios da desconstrução e outras ferramentas de análise qualitativa. O texto recupera definições basilares da formação de construtos sociais por meio de lógicas binárias, expõe alternativas para enfrentá-las e questioná-las, especialmente considerando a desconstrução, a teoria Queer, o rizoma, o interacionismo simbólico e a análise contextual social. Ao final são traçadas implicações para superar criativamente o vácuo deixado por uma abordagem desconstrucionista.

Palavras-chave: Desconstrução; Abordagens qualitativas; Metodologias de análise; Epistemologia; Políticas públicas.

 

Strategic deconstructions for qualitative approaches: binarism and perceptions of others

Abstract: The present discussion was prompted from research conducted within a multidisciplinary laboratory for the development of methodologies and systems for the evaluation of public and corporate policies, as a product of multidisciplinary debates. The paper presents epistemological and methodological foundations to understand marginalized populations and their necessities regarding public policies, from the perspective of a contextual analysis based on the principles of deconstruction and other tools of qualitative analysis. The text dwells on basic definitions of the formation of social constructs through a binary logic, suggests alternatives to face and question such logic, especially considering deconstruction, Queer theory, rhizome, symbolic interactionism, and social contextual analysis. In conclusion, implications are drawn to creatively overcome the vacuum left by a deconstructionist approach.

Keywords: Deconstruction; Qualitative approaches; Methodologies of analysis; Epistemology; Public policies.

 

Biografia do Autor

Guilherme Bergo Leugi, Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer

Doutor em Psicologia pela University of South Australia, mestre em Filosofia e Psicólogo pela Universidade Federal de São Carlos. Atualmente é pesquisador (PCI-DA CNPq) no Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/2139829479046389

Cátia Regina Muniz, Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer

Pesquisadora do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer. Pós- doutora no Departamento de Sociologia, Instituto de Filosofia e Ciência Humanas, Unicamp. Doutora em Ciências Sociais. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/8229884524282543

Giovanni Moura de Holanda, Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer

Mestre em Engenharia Elétrica, área de Eletrônica e Comunicações, (Unicamp, 1992) e Engenheiro Eletricista (UFPB, 1983). Pesquisador e consultor. Atualmente é pesquisador bolsista de Capacitação Institucional no Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer – CTI

Angela Maria Alves, Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer

PhD em Tecnologia da Informação pela USP/POLI (2013) e Mestre em Qualidade pela Unicamp (2002). Atualmente é chefe da Divisão de Acompanhamento e Apoio a Políticas em Tecnologia Digital no CTI Renato Archer.

Referências

ALVES, A. M.; HOLANDA, G. M. Metodologias ‘líquidas’: Combinando abordagens e métodos para avaliações de políticas públicas em TIC. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais, João Pessoa, v. 1, n. 2, p. 70–90, Dezembro. 2016.

BAUMAN, Z. Liquid modernity. Cambridge: Polity Press in association with Blackwell Publishing Ltd, 2000.

BENTLEY, A. F. On a certain vagueness in logic: I. The Journal of Philosophy, New York, v. 42, n. 1, p. 6–27, jan. 1945a.

BENTLEY, A. F. On a certain vagueness of logic: II. The Journal of Philosophy, New York, v. 42, n. 2, p. 39–51, jan. 1945b.

BORDIEU, P. Understanding. Theory, Culture & Society, London, v. 13, n. 2, p. 17–37, May. 1996.

BUTLER, J. Bodies that matter: On the discursive limits of ‘sex’. New York; London: Routledge, 1993.

BUTLER, J. Gender trouble: Feminism and the subversion of identity. 2. ed. New York: Routledge, 1999.

BRASÍLIA. Conselho nacional de saúde. Resolução 510/2016. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

CALLIOU, S. Us/them, me/you: Who? (Re)thinking the binary of First Nations and non-First Nations. Canadian Journal of Native Education, Edmonton, v. 22, n. 1, p. 28–52. 1998.

COLARES, L. B. C.; CHIES, L. A. B. Mulheres nas so(m)bras: Invisibilidade, reciclagem e dominação viril em presídios masculinamente mistos. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 407–423, Maio-Agosto. 2010.

COLEBROOK, C. Gilles Deleuze. London; New York: Routledge, 2002.

COSTA, E. C. P. Enfim, a liberdade: As mulheres e a vivência pós-cárcere. 2011. Tese (Doutorado em Sociologia) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

DE FINA, A.; PERRINO, S. Introduction: Interviews vs. ‘natural’ contexts: A false dilemma. Language in Society, London, v. 40, n. 1, p. 1–11, feb. 2011.

DELEUZE, G. On a Thousand Plateaus (1980). In: DELEUZE, G. Negotiations, 1972-1990. Translated by Martin Joughin. New York: Columbia University Press, 1995. p. 25–34.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. A thousand plateaus: Capitalism and schizophrenia. 11. ed. Translated by Brian Massumi. Minneapolis; London: University of Minnesota Press, 2005.

DENZIN, N. K. Analystic autoethnography, or déjà vu all over again. Journal of Contemporary Ethnography, Thousand Oaks, v. 35, n. 4, p. 419–428, August. 2006.

DERRIDA, J. Margens da filosofia. Tradução de Joaquim Torres Costa e Antonio M. Magalhães. Campinas: Papirus, 1991.

DOUGLAS, M. Natural symbols: Explorations in cosmology. 3. ed. London; New York: Routledge, 2002.

DURKHEIM, É.; MAUSS, M. Algumas formas primitivas de classificação: contribuição para o estudo das representações coletivas. In: RODRIGUES, J. A. (org.). Émile Durkheim. 9. ed. São Paulo: Ática, 2000. p. 183–203.

GEERTZ, C. The interpretation of cultures: Selected essays. New York: Basic Books, Inc., 1973.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUERIN, B. How to rethink human behavior: A practical guide to social contextual analysis. London: Routledge, 2016.

GUIMARÃES, C. A. G. Funções da pena privativa de liberdade no sistema penal capitalista: Do que se oculta(va) ao que se declara. 2006. Tese (Doutorado em Direito) - Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

HERTZ, R. A preeminência da mão direita: Um estudo sobre a polaridade religiosa. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, n. 6, p. 99–128, nov. 1980.

JOHNSON, W. The spoken word and the great unsaid. The Quarterly Journal of Speech, Washington, v. 37, n. 4, p. 419–429, 1951.

KINCHELOE, J. L. Describing the bricolage: Conceptualizing a new rigor in qualitative research. Qualitative Inquiry, Thousand Oaks, v. 7, n. 6, 679–692, dec. 2001.

KUPER, A. (org.). The social anthropology of Radcliffe-Brown. London; Henley; Boston: Routledge & Kegan Paul, 1977.

LÉVI-STRAUSS, C. Origem dos modos à mesa. Mitológicas 3. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. 8. ed. Campinas: Papirus, 2008.

LOURO, G. L. Teoria queer: Uma política pós-identitária para a educação. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 541–553. 2001.

MASSARO, C. M. Trabalho em tempos de crise: A superexploração do trabalho penal nos Centros de Ressocialização Femininos do Estado de São Paulo. 2014. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista ‘Júlio de Mesquita Filho’, Araraquara, 2014.

MASSUMI, B. Translator’s foreword: Pleasures of philosophy. In: DELEUZE, G; GUATTARI, F. A thousand plateaus: Capitalism and schizophrenia. 11. ed. Minneapolis; London: University of Minnesota Press, 2005. p. ix–xv.

MEAD, G. H. Mind, self, and society: From the standpoint of a social behaviorist. 18. ed. Chicago; London: The University of Chicago Press, 1972.

MISKOLCI, R. A teoria queer e a sociologia: O desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, n. 21, p. 150–182, jan./jun. 2009.

MUNIZ, C. R.; LEUGI, G. B. Pensando políticas públicas de reintegração social pós-cárcere. In: ALVES, A. M.; HOLANDA, G. M.; PEREIRA, C. M. (orgs.). Metodologias poli. TIC: Avaliando políticas digitais. Campinas: CTI Renato Archer, 2018. p. 139–162.

MUNIZ, C. R.; LEUGI, G. B.; ALVES, A. M. Mulheres no sistema prisional: Por que e como compreender suas histórias? RP3 - Revista de Pesquisa em Políticas Públicas, Brasília, n. 2, p. 1–22. 2017.

NIETZSCHE, F. The will to power. Tradução de Walter Kaufmann e Reginald John Hollingdale. New York: Vintage Books, 1967.

PHILOGÈNE, G. Social representations of alterity in the United States. In: MOLONEY, G.; WALKER, I. (org.). Social representations and identity: Content, process, and power. New York: Palgrave Macmillan, 2007. p. 31–42.

RADCLIFFE-BROWN, A. R. Structure and function in primitive society: Essays and addresses. Glencoe: The Free Press, 1952.

SALIH, S. Judith Butler. London; New York: Routledge, 2002.

SOUZA, R. M. Rizoma Deleuze-Guattariano: Representação, conceito e algumas aproximações com a educação. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, Brasília, n. 18, p. 234–259, maio./out. 2012.

Publicado

2019-04-30

Edição

Seção

Estudos