Potencialidades da técnica de grupo focal para a pesquisa em vigilância sanitária e atenção primária à saúde

Autores

  • Mariluce Karla Bomfim de Souza Universidade Federal da Bahia
  • Yara Oyram Ramos Lima Instituto de Saúde Coletiva/Universidade Federal da Bahia.
  • Bianca Maria Santos da Paz Instituto de Saúde Coletiva/Universidade Federal da Bahia http://orcid.org/0000-0001-8682-7479
  • Ediná Alves Costa Instituto de Saúde Coletiva/Universidade Federal da Bahia
  • Alcione Brasileiro Oliveira Cunha Instituto de Saúde Coletiva/Universidade Federal da Bahia.
  • Rosenilde dos Santos Instituto de Saúde Coletiva/Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.33361/RPQ.2019.v.7.n.13.169

Resumo

Resumo: Este artigo teve por objetivo discutir potencialidades do grupo focal (GF) para o desenvolvimento de pesquisa sobre Vigilância Sanitária e Atenção Primária à Saúde. Foram realizados GF: com técnicos da vigilância sanitária municipal e profissionais das equipes de saúde da família. Para planejamento e montagem, foram observadas questões orçamentárias e estruturais, organizados roteiros, estabelecidas responsabilidades e selecionados os participantes. Os GF transcorreram com duplas de moderadores e observadores, suporte tecnológico e respeito aos aspectos éticos. Desafios não suplantaram potencialidades do uso da técnica, como a possibilidade de vocalização de profissionais da Vigilância Sanitária pela especificidade das atividades regulatórias, a neutralidade do ambiente para a realização da discussão entre os participantes, a oportunidade de diálogo gerada pela interação e a possibilidade de revisitar a realidade pelo olhar do outro. Conclui-se que a aplicação de uma técnica de pesquisa com rigor metodológico é condição necessária para a produção científica de qualidade.

Palavras-chave: Grupos Focais; Vigilância Sanitária; Atenção Primária à Saúde.

 

Potential of the focus group technique for research in health surveillance and primary health care

Abstract: This article aimed to highlight the potential of the focus group (FG) for the development of research on Health Surveillance and Primary Health Care. GF were performed: with the municipal health sanitation and the professionals of the family health teams. To the planning and setting, in which not allowed, and the organized rotaries, greens and the tasks the storages. The FGs had double sessions of moderators and observers, technological support and respect for ethical aspects. Challenges did not supplant the potentialities of the use of the technique, as a possibility of vocalization of health professionals. The discipline of regulatory activities, a neutrality of the environment for an accomplishment of the task among the participants, an opportunity for dialogue generated by the interaction and a possibility to revisit a research by the method of a rigorous research technique is necessary for a scientific production of quality.

Keywords: Focus Groups; Health Surveillance; Primary Health Care.

 

Biografia do Autor

Yara Oyram Ramos Lima, Instituto de Saúde Coletiva/Universidade Federal da Bahia.

Doutora em Saúde Pública (ISC/UFBA). Professora Adjunta (ISC/UFBA).

Bianca Maria Santos da Paz, Instituto de Saúde Coletiva/Universidade Federal da Bahia

Mestranda em Saúde Coletiva (ISC/UFBA). Especialização em Saúde do trabalhador (ISC/UFBA) Nutricionista (ISC/UFBA). Técnica da Vigilância Sanitária.

Ediná Alves Costa, Instituto de Saúde Coletiva/Universidade Federal da Bahia

Doutora em Saúde Pública. Professora Associada da Universidade Federal da Bahia. Instituto de Saúde Coletiva (ISC/UFBA).

Alcione Brasileiro Oliveira Cunha, Instituto de Saúde Coletiva/Universidade Federal da Bahia.

Doutora em Saúde Pública (ISC/UFBA). Professora Adjunta (ISC/UFBA).

Rosenilde dos Santos, Instituto de Saúde Coletiva/Universidade Federal da Bahia

Mestranda em Saúde Coletiva (ISC/UFBA). Enfermeira.

Referências

ASCHIDAMINI, I. M.; SAUPE, R. Grupo focal – Estratégia metodológica qualitativa: Um ensaio teórico. Cogitare enfermagem, Curitiba, v. 9, n. 1, p. 9-24, 2004

BARRETO, H. I. V.; SOUZA, M. K. B. Análise das Condições Sanitárias de Unidades de Saúde da Família com base no referencial sobre Processo de Trabalho. Revista de APS (Impresso), Juiz de Fora, v. 20, n. 4, p. 519-526, 2017.

BARRETO, L. A.; SOUZA, M. K. B; SILVA, E. A. L. Rede de atenção e condições sanitárias das unidades de saúde da família: há alguma relação? Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 24, n. 6, p. 17440. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília; 2017.

COSTA, E. A.; ROZENFELD, S. Constituição da vigilância sanitária no Brasil. In: ROZENFELD, S. (org.). Fundamentos da vigilância sanitária. 1ª Edição. 6ª Reimpressão. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2000. p.15-40.

COSTA, E. A.; SOUTO, A. C. Área Temática de Vigilância Sanitária. In: PAIM, J. S.; ALMEIDA FILHO, N. Saúde Coletiva: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: MEDSI, 2013, p. 327-341.

COSTA, G. S. Grupos focais: um novo olhar sobre o processo de análise das interações verbais. Revista Intercâmbio, Montes Claros, s.v., s.n., p. 153-172, 2012.

COSTA, E. A. Regulação e Vigilância Sanitária: Proteção e Defesa da Saúde. In: ROUQUAYROL, M. Z; GURGEL, M. (org.). Epidemiologia & Saúde. 7. ed. Rio de Janeiro: Medbook, 2013. p. 493-520.

DEBUS, M. (org.). Manual para excelência em la investigación mediantegrupos focales. 1. ed. Pennsylvania: University of Pennsylvania/ Applied Communications Technology, Needham Porter Novelli, 1988.

DIAS, C. A. Grupo focal: técnica de coleta de dados em pesquisas qualitativas. Informação e Sociedade, João Pessoa, v. 10, n. 2, p. 1-12, 2000.

FERRARO, A. H. A. et al. Imagem-objetivo para a descentralização da vigilância sanitária em nível municipal. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 10, p. 2201-2217, out. 2009.

IERVOLINO, A. S.; PELICIONI, M.C. F. A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 115-121. 2001.

KIND, L. Notas para o trabalho com a técnica de grupos focais. Psicologia em revista, Belo Horizonte, v. 10, n. 15, p. 124-136, 2004.

KRUEGER, R. A. Focus Groups: a pratical guide for applied research. 2. ed. Thousand Oaks: SAGE Publications, 1994.

LEAL, C. O. B. S.; TEIXEIRA, C. F. Análise de situação dos recursos humanos da vigilância sanitária em Salvador - BA, Brasil. Interface. Comunicação, Saúde e Educação, Botucatu, v. 13, n. 30, p. 167-179, set. 2009.

LEAL, C.O.B.S; TEIXEIRA, C. F. Comida de rua: um estudo crítico e multirreferencial em Salvador, BA − Brasil. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, p. 12-22, nov. 2014.

LIMA, Y. O. R. et al. Percepção dos profissionais da Vigilância Sanitária sobre as condições sanitárias dos serviços da Atenção Primária à Saúde. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA EM SAÚDE, 7., 2018, Fortaleza. Atas... Fortaleza: Ludomedia, 2018. p. 386-391.

MALDONADO, V. E.M.; TORRES, L. M. T.; SAEZ, M. J. N. Grupo Focal de discusión como herramienta para el estudio de las relaciones de género en miembros de uma comunidad urbana. Revista Eletrônica Semestral de Enfermeiría, Goiânia, v. 12, n. 1, p. 436-449, 2013;

MEIER, M. J.; KUDLOWIEZ, S. Grupo focal: uma experiência singular. Texto & Contexto Enf., Florianópolis, v. 12, n. 3, p. 394-399, 2003.

MERTON, R. K.; FISKE, M.; KENDALL, P. L. The focused interview: a manual of problems andprocedures. 2. ed. Nova York. The Free Press, 1990.

MORGAN, D. L. Focus groups as qualitative research. 2. ed. Beverly Hills: SAGE Publications, 1988.

PAZ, B. M. S. et al. Condições Sanitárias das Unidades de Saúde da Família: perspectiva dos profissionais de saúde. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA, 7., 2016, Salvador. Anais... Rio de Janeiro: Abrasco, 2016. p. 304-304.

RESSEL, L. B. et al. O uso do grupo focal em pesquisa qualitativa. Texto & Contexto Enf. Florianópolis, v. 17, n. 4, p. 779-786, 2008.

RODRIGUES, J. S. Infusões à base de folhas de passifloras do cerrado: compostos fenólicos, atividade antioxidante in vitro e perfil sensorial. 2012. Dissertação. Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação em Nutrição Humana, Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

ROSO, A. Grupos focais em Psicologia Social: da teoria à prática. Psico., Porto Alegre, v. 28, n. 2, p. 155-169, 1997.

SCHROEDER, C. S.; KLENRING, R. L. On-line focus group: uma possibilidade para a pesquisa qualitativa em administração. Cadernos EBAPE.BR. Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 332-348, 2009.

SOUZA, M. K. B. et al. Condições Sanitárias das Unidades de Saúde da Família: desafios para o processo de trabalho, a saúde da população e a gestão em saúde. Salvador: Instituto de Saúde Coletiva. Universidade Federal da Bahia; 2015. No prelo.

SOUZA, M. K. B.; BARRETO, L. A.; SILVA, E. A. L. Análise de conformidade e não conformidade de unidades de saúde da família. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 31, n. 4, p. e18247, 2017.

THOFEHRN, M. B. et al. Grupo focal: una técnica de recogida de datos em investigaciones cualitativas. Index de enfermeira, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1-2, p. 75-78, jun. 2013.

TRAD, L. A. B. Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.19, n. 3, p. 777-796, 2009.

WESTPHAL, M. F. et al. Grupos focais: experiências precursoras em programas educativos em saúde no Brasil. Bol. Oficina Sanit. Panam, Washington, v. 120, n. 6, p. 472-481, jun. 1996.

Publicado

2019-04-30

Edição

Seção

Estudos