A questão dos afetos na fenomenologia de Edmund Husserl: um estudo preliminar

Tommy Akira Goto, Thabata Castelo Branco Telles, Yuri Amaral de Paula

Resumo


Resumo: Em busca de rigor na fundamentação dos estudos sobre processos psicológicos, consideramos a possibilidade de contribuição da Fenomenologia e Psicologia Fenomenológica de Edmund Husserl (1859-1938) para o estudo dos afetos. O presente estudo tem como objetivo geral apresentar a questão dos afetos, tal como abordada por Edmund Husserl. Quanto ao método, este estudo se caracteriza como investigação teórica e segue as técnicas propostas da pesquisa bibliográfica. Primeiramente, destacam-se os principais aspectos e problemas correspondentes: a Fenomenologia dos sentimentos realizada por Husserl nas “Investigações Lógicas” de 1900-1901, tais como a distinção entre os atos de sentimentos e os sentimentos sensíveis, bem como o papel desempenhado pelas (re)presentações na fundamentação destas vivências. No segundo momento, foram demarcadas as principais características da Fenomenologia dos estados de ânimo dos Manuscritos M dos anos 1900-1914, destacando seu modo intencional específico, bem como sua função iluminadora do entorno e de abrir horizontes de objetos. Concluímos que a contribuição principal da Fenomenologia e Psicologia Fenomenológica de Husserl, para o estudo dos processos psicológicos e dos afetos em particular está em sua multiplicidade de descrições rigorosas e reconstituições minuciosas a respeito das vivências.

Palavras-chave: Afetividade; Fenomenologia da Afetividade; Psicologia Fenomenológica.

 

The subject of affective experiences in Husserl’s phenomenology: a preliminary study

Abstract: In the pursuit of rigor on the grounding of psychological processes studies, we consider the possibility of both Phenomenology and Phenomenological Psychology of Edmund Husserl (1859-1938) on contributing for the study of affective experiences in general. The present article aims to analyze the issue of affective experiences in general as discussed by Edmund Husserl. As for its method, this study is characterized as theoretical research and follows the technical proposals of the literature research. At first, we highlight the main aspects and problems corresponding phenomenology of feelings held by Husserl in the “Logical Investigations” of 1900-1901, such as the distinction between feelings acts and feelings sensations and the role played by the (re)presentations in the grounding of these experiences was presented. In the second phase, were highlighted the main features of the phenomenology of moods of Manuscripts M of the years 1900-1914, highlighting their specific intentional mode as well as its function of illuminating the surroundings and open horizons of objects. We also presented the proximities and differences between the two moments of the Husserl’s phenomenology of feelings in general. We conclude that Husserl’s Phenomenology and the Phenomenological Psychology primary contribution to the study of psychological processes and feelings in particular is in its multiplicity of rigorous descriptions and detailed reconstructions about the lived experiences.

Keywords: Affectivity; Phenomenology of Affectivity; Phenomenological Psychology.

 


Texto completo:

TEXTO COMPLETO

Referências


Referências

BASTOS, M. C. “Emoção e cognição”: questões a partir de duas perspectivas. 1991. 101 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto Superior de Estudos e Pesquisas Psicossociais, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1991.

BUYTENDIJK, F. J. J. Husserl's Phenomenology and its significance for Contemporary Psychology. In: Kockelmans, J. J. (Org.). Phenomenological Psychology: The Dutch School. Phaenomenologica 103. Netherlands: Martinus Nijhoff Publishers, 1987, p. 31-44.

DEPRAZ, N. Compreender Husserl. 3.ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

DEPRAZ, N. Delimitación de la emoción: acercamiento a una fenomenología del corazón. Investigaciones fenomenológicas, Madrid, v. 9, p. 39-68, 2012.

EMBREE, L. Análise Reflexiva: uma primeira introdução na investigação fenomenológica. Romania: Zeta Books, 2011.

ESCUDERO, J. A. La actualidad de la fenomenología husserliana: superación de viejos tópicos y apertura de nuevos campos de exploración. Eidos, Colômbia, v. 18, p. 12-45, 2013.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOTO, T. A. A (re) constituição da psicologia fenomenológica em Edmund Husserl. 2007. 219 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica, Campinas, 2007.

GOTO, T. A. Introdução à psicologia fenomenológica: a nova psicologia de Edmund Husserl. São Paulo: Paulus, 2008.

HUSSERL, E. Invitación a la fenomenología. Buenos Aires: Paidós, 1992.

HUSSERL, E. Investigações lógicas: segundo volume, parte I: investigações para a fenomenologia e a teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Forense, 2012.

HUSSERL, E. Idéias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica: introdução geral à fenomenologia pura. São Paulo: Idéias & Letras, 2006 (Obra original publicada em 1913).

KOCKELMANS, J. J. Husserl's Original View on Phenomenological Psychology. In: KOCKELMANS, J. J (Org.). Phenomenological Psychology: The Dutch School. Phaenomenologica 103. Netherlands: Martinus Nijhoff Publishers, 1987, p. 3-30.

KRECH, D.; CRUTCHFIELD, R. S. Elementos de Psicologia. 6. ed. São Paulo: Pioneira, 1980.

LEE, N.-I. Edmund Husserl’s Phenomenology of Mood. In: DEPRAZ, N.; ZAHAVI, D. (Orgs.) Alterity and facticity: new perspectives on Husserl. Phaenomenologica 148. Dordrecht: Springer, 1998, p. 103-121.

LIMA, A. C. R. Algumas aproximações do modelo cognitivo das emoções de Aaron T. Beck com a filosofia, a biologia evolutiva e as neurociências. 1982. 132 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, 1982.

LIMA, T. C. S.; MIOTO, R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Rev. Katálysis, Florianópolis, v. 10, p. 37-45, 2007.

MATLIN, M. W. Psicologia Cognitiva. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

MORAES, M. O gestaltismo e o retorno à experiência psicológica. In: JACÓ-VILELA, A. M; FERREIRA, A. A. L. & PORTUGAL, F. T. (Orgs.) História da Psicologia: rumos e percursos. 2. ed. Rio de Janeiro: Nau, 2007, p. 301-318.

RABANAQUE, L. R. Hyle, Genesis and Noema. Husserl Studies, Chicago, v. 19, p. 205-215, 2003.

QUEPONS, I. Nostalgia y anhelo: contribución a su esclarecimiento fenomenológico. Open Insight, Querétaro, v. 4, n. 5, p. 117-145, 2013.

SALVADOR, A. D. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. 11. ed. Porto Alegre: Sulina, 1986.

SCHUTZ, G. Origen y radicalización de la fenomenología de los estados de ánimo: Husserl y Heidegger. Contribuiciones desde Coatepee, Cidade do México, v. 1, n. 11, p. 11-39, 2006.

SOKOLOWSKI, R. Introdução à fenomenologia. São Paulo: Loyola, 2012.

SZILASI, W. Introducción a la fenomenología de Husserl. Buenos Aires: Amorrortu, 2003.

ZAHAVI, D. Husserl’s Phenomenology. Stanford: Stanford University Press, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O desenho do cabeçalho e da capa da Revista Pesquisa Qualitativa é de Carmem Aranha. Ele foi feito na praça São Benedito, diante de um arbusto cujo tronco (e galhos) lembravam um ideograma chinês. (Árvore de Amparo - Desenho e grafite 6B, c 15x21 cm). Agradecemos à Carmem Aranha por ter cedido sua arte à Revista.

 

Qualis Periódicos CAPES - (2013-2016)

ENSINO - B2

EDUCAÇÃO - B3

ENFERMAGEM - B4

PSICOLOGIA - B4

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO - B5

 

Indexadores

 

                                                    

                                                                                    

                                                                                                                                                                                                                    

 Licenciamento de Conteúdo/Content License

Licença Creative Commons
A revista RPQ - Revista Pesquisa Qualitativa, adota a política de licenciamento de seu conteúdo pela política do Creative Commons sob a licença: Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.